A Rede Globo de televisão há décadas tem a exclusividade da transmissão dos desfiles das escolas de samba do grupo especial do #Carnaval carioca. No entanto, desde 2015, muitas agremiações começaram a ficar chateadas com o modo como o canal tenta organizar a disputa pela melhor da "festa da carne". Depois de muita insistência, a Globo conseguiu no ano passado convencer de não exibir a primeira escola de samba de casa dia, transmitindo apenas na íntegra o desfile depois que todas as demais agremiações estivessem na avenida.

Com isso, o canal praticamente não precisou mexer em sua grade de programação. Neste ano, a ideia era mais ousada, fazer isso com as duas primeiras escolas, começando a exibir o desfile a partir das 23h.

Publicidade
Publicidade

Como algumas agremiações grandes seriam atingidas, as reclamações foram tantas, que houve até ameaça de não entrar na hora marcada. A Globo então tentou sugerir que o desfile começasse mais tarde, que menos escolas desfilassem e etc. Nenhuma ideia colou. 

Durante a transmissão deste ano, os comentaristas devem dizer que o público tem reclamado de desfiles longos. A proposta é diminuir o tempo de desfile de cada escola, conseguindo assim começar mais tarde a festa. De pouco mais de 80 minutos, o tempo para passar no sambódromo iria para 65 minutos. O número de carros alegóricos iria de oito para seis e as pessoas que desfilariam também teriam que ser reduzidas. Tudo para dar tempo de passar no maior palco do samba do mundo. 

Alguns diretores de escola já disseram que a Globo não manda em nada e que o dinheiro que ela dá não é nem a quinta parte do que casa sigla gasta para ficar na avenida.

Publicidade

Para transmitir o Carnaval, a emissora pagaria entre R$ 1 e R$ 2 milhões para cada agremiação, além de uma taxa para a prefeitura do Rio de Janeiro. A briga com o canal é tal forte que a torre de transmissão que ficava no meio do Sambódromo neste ano foi simplesmente destruída. A desculpa é que tal estrutura sempre atrapalhava as agremiações, que ano após ano, parecem mais competitivas.  #Televisão #Rede Globo