Se Tóia não estava convencendo em sua nova fase vingativa, nos próximos capítulo de #A Regra do Jogo ela volta às origens de moça boazinha de uma vez por todas. Isso porque a morena terá tido coragem de fazer algo que nunca poderia imaginar: matar alguém. Mas o remorso fará a personagem sofrer como nunca na trama. Confira os detalhes que a colunista de O Globo divulgou!

A trama começa quando Romero sequestra Tóia após escapar da prisão. Ele leva a recém-casada para uma casa completamente preparada para ser o cativeiro da família por muitos anos. Assim, o ex-vereador chega a parecer um louco ao planejar a vida dos três no local, e a filha de Djanira se desespera por imaginar ficar presa com seu filho.

Publicidade
Publicidade

Mas, rapidinho, surge uma luz no fim do túnel: Atena!

Rejeitada por Romero mais uma vez, Atena convence Tóia a participar de uma armadilha para matar Romero no cativeiro. E assim acontece. Mas quando a jovem está de volta em casa com Juliano, ela não aguenta de remorso. "Eu sou uma assassina, Juliano. Eu acusei o seu pai de ser um assassino, acusei o Romero de tanta coisa e eu sou igual a eles", confessa ela para o marido.

"Eu matei o Romero, matei! Eu risquei o fósforo que provocou aquele incêndio. A vida do Romero ficou nas minhas mãos e eu podia não ter riscado aquele fósforo, mas eu risquei. Ele me soltaria, pois ele disse que ia me soltar no dia seguinte. Mas mesmo assim eu...", continua Tóia a explicar seu crime. Assustado com as revelações, Juliano tenta acalmar a esposa e diz que tudo pode ser encarado como legítima defesa.

Publicidade

Então, o lutador planeja o futuro de sua amada após o crime. Em primeiro lugar, ele a convence de não contar nada à polícia. "Você não pode se entregar! Pensa no futuro dessa criança que você está esperando", argumenta Juliano. Ele explica que Romero acabou com a vida dela - e de muita gente - por isso a levou a uma atitude extrema. Contudo, a armadilha leva à condenação por crime premeditado, o que pode afastá-los por muitos anos. "Por mim, pelo nosso amor, eu te peço, te suplico, não fala a verdade", insiste ele.

Então, Tóia concorda e conta outra história à polícia. Em depoimento, ela diz que estava presa enquanto Romero preparava um jantar à luz de velas. Daí ela viu um clarão e, quando começou a fumaça, o ex-vereador a soltou enquanto tentava apagar as chamas. Ela apenas saiu correndo e o sequestrador não veio em seguida. O policial acredita na coerência da história e libera a assassina. #Entretenimento #Conectados