Um episódio polêmico aconteceu na manhã desta quinta-feira, 31, em um voo que iria de Salvador para o Rio de Janeiro. Um dos passageiros acabou sendo expulso pela polícia federal após uma discussão dentro da aeronave. No voo, estava Érico Brás, atorcontratado da TV Globo e humorista do 'Zorra Total', e sua mulher, Kênia Maria. O incidente aconteceu por volta das 6h27. De acordo com o jornal 'O Globo',  Érico disse que a discussão começou depois que sua esposa tentou colocar sua bolsa embaixo da poltrona da frente, já que não existia mais espaço nos compartimentos superiores. Esse é o procedimento padrão utilizado pelas companhias aéreas, inclusive pela Avianca, que transportaria o ator para o Rio.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista à jornalista Patrícia Kogut, o passageiro disse que se sentiu vítima de um ataque racista. 

 

Segundo Érico, ele e sua esposa estavam sentados nas cadeiras do corredor e do meio. O terceiro passageiro, que sentava na janela, chegou, eles levantaram e tudo ocorria de maneira tranquila. O problema é que com o avião lotado, o compartimento de bagagem também estava muito cheio. No entanto, o comandante da aeronave, que seria branco, não deixou que eles colocassem a bolsa embaixo da poltrona da frente. O ator acusa o comandante de ser mal educado e grosseiro. 

Um outro funcionário da Avianca foi chamado para tentar resolver a situação, mas não conseguiu. Depois disso, ele decidiu chamar a polícia federal. De acordo com o passageiro, ele informou que não sairia do voo por não ter motivos para isso, mas que falaram que ele era uma ameaça.

Publicidade

"Não sou terrorista", disse ele no vídeo que foi postado pelo jornal carioca. Além do ator e sua esposa, outros oito passageiros decidiram descer da aeronave demonstrando solidariedade. 

Érico disse que irá processar a empresa pelo tipo de tratamento. Em nota, a assessoria da Avianca disse que seu objetivo é sempre cumprir com a pontualidade e manter a segurança de cada voo. Em seguida, o texto da empresa disse que o procedimento padrão é chamar a Polícia Federal sempre que existir um tumulto.  #Crime #Investigação Criminal