O site britânico Daliy Mail obteve com exclusividade uma entrevista com o ex-traficante de drogas que trabalhou durante muito tempo para o astro do pop Prince, encontrado morto na última quinta-feira (21).

O homem, identificado apenas como “Doutor D”, revelou que Prince era viciado em analgésicos opiáceos há pelo menos 25 anos, e que certa vez chegou a gastar 40 mil dólares para ter um estoque de seis meses das drogas legais Dilaudid e fentamil à mão.

Tanto o Dilaudid (cloridrato de hidromorfona) quanto o fentamil são drogas analgésicas extremamente potentes extraídas da papoula, da mesma classe da heroína e altamente viciantes.

Publicidade
Publicidade

Doutor D declarou que Prince sofria de um medo incapacitante dos palcos, e só conseguia fazer suas performances depois de consumir essas drogas. “Ele sempre foi um ‘homem de comprimidos’ – por isso nunca ninguém o viu usando drogas”, afirmou.

Fontes da mídia internacional, como o site de notícias TMZ, informaram que o astro havia sofrido uma overdose seis dias antes de sua morte por causa de outro opiáceo, o Percocet, que é uma associação de oxicodona e paracetamol.

Consumo de drogas legais às escondidas

Doutor D revelou ainda que além do medo de encarar os palcos, Prince também tinha fobia de ir a médicos, e, portanto, não podia obter receitas ou prescrições de forma legal, valendo-se do contato com o traficante.

“Eu conheci o Prince em 1984, enquanto ele estava gravando o filme Purple Rain, e ele já era viciado em opiáceos – eu não o levei às drogas, ele já era um usuário realmente pesado”.

Publicidade

 E Doutor D complementa: “Um monte de artistas depende de medicamentos para fazê-los se sentirem confiantes no palco, mas ele foi de longe o pior”. O comerciante de drogas acredita que um médico, sem saber, possa ter contribuído com a morte do cantor, por prescrever analgésicos desconhecendo seu vício em opiáceos.

Uma autópsia foi realizada em Prince nesta sexta-feira (22) e o corpo foi liberado para sua família, sendo cremado em uma cerimônia privada. No entanto, as autoridades disseram que podem levar semanas antes de fornecerem um parecer final sobre a causa da morte do astro. #Famosos #Música