Os artistas que foram a favor do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff estão sendo cobrados por internautas para que opinem sobre o fim do MinC (Ministério da Cultura), anúncio que foi feito pelo presidente interino #Michel Temer. Vários "memes" andam circulando pelas redes sociais, como, por exemplo o Facebook, em que artistas pró impeachment aparecem em fotos quando estavam nos protesto dizendo: "Oba! acabamos com o Ministério da Cultura". O que aparentemente é um "tiro no pé", chamou a atenção de internautas que usaram comentários e mensagens irônicas sobre a decisão do #Governo de Temer.

Artistas como Suzana Vieira, Márcio Garcia e Malvino Salvador utilizaram as redes sociais para se pronunciarem sobre o acontecido.

Publicidade
Publicidade

Márcio Garcia avaliou que a presidente Dilma fez uma péssima gestão no país e que tirar o governo do Partido dos Trabalhadores foi um ato de grande importância para o futuro da nação, explicando que o Brasil está vivendo uma de suas piores crises. Márcio também disse que é contra o governo de Michel Temer e que não se sente representado. Malvino Salvador disse que se os artistas estiverem juntos e unidos, vale mais do que ter um único Ministério os representando e que o maior problema atual é a fraude na economia. 

Marcelo Madureira, que é ex-Casseta, avaliou que existem entidades que necessitam do apoio do Ministério da Cultura, como orquestras sinfônicas e museus, porém ele questionou se artistas consagrados realmente precisam de dinheiro público, e também disse que defende o fim da meia-entrada para estudantes e idosos, dizendo que quem se beneficia é "picaretas".

Publicidade

Marcelo Serrado, que também foi a favor do processo de impeachment que acabou afastando a presidente Dilma Rousseff, se juntou com um grupo de artistas que são contra o fim do Ministério da Cultura, dizendo que nem o governo de Dilma e nem do interino Temer os representam e terminou dizendo que "eu não vou a Brasilia apertar a mão de Temer"

Márcio Garcia e Marcelo Serrado pedem novas eleições afirmando não se sentirem representado por nenhum dos governos.  #Crise econômica