Estreou nas primeiras horas do dia 18 de maio, logo após o reality show Masterchef, na Band, outro reality show. De formato inusitado, o Bate e Volta é uma espécie de programa de entrevistas semanal, onde duas celebridades (entrevistado e entrevistador) falam sobre diversos assuntos. Tudo isso dentro de um carro, que é guiado pelo próprio entrevistador durante todo o trajeto. A ideia é que, a cada semana, a dupla de personalidades mude, feito que não deixa o programa cair na mesmice.

Na estreia, uma das estrelas da casa, José Luiz Datena, fez a vez de entrevistador ao lado da apresentadora Luciana Gimenez, da Rede TV. Ele saiu dos estúdios da Band e foi buscar a entrevistada em casa, no Alphaville. Luciana então falou sobre sua relação com o vocalista dos Rolling Stones, Mick Jagger, seu dia a dia ao lado dos filhos, Lucas Jagger e Lorenzo, e do casamento com o empresário Marcelo Carvalho, da Rede TV. Neste momento, ressaltou que se considera uma pessoa ciumenta e que não gosta de ver o marido ao lado das mulheres que trabalham no programa que Marcelo apresenta, o Megasenha.

Publicidade
Publicidade

Bastante à vontade, o apresentador do Brasil Urgente! também aproveitou para falar sobre seu problema de diabetes e alguns problemas do passado, quando bebia muito. Ambos também comentaram sobre o pouco tempo com os filhos, por conta do trabalho, e Luciana, que se considera uma 'viciada em Internet', aproveitou para fazer uma selfie com Datena no meio do caminho.

E foi neste clima de bate-papo que Datena chegou ao seu destino: uma casa em Perdizes, zona oeste da capital paulista. O local, onde hoje funciona um restaurante japonês, era a casa da avó de Luciana Gimenez, que passou ali a infância e parte da adolescência. Emocionada, ela percorreu todo o estabelecimento, revisitou lugares e até mostrou a Datena um lugar em cima do telhado onde, no início da adolescência, tentou ficar com um vizinho e acabou caindo e quebrando um braço.

Publicidade

"Estando aqui me lembro das gemadas que minha avó fazia e do carinho que ela me dava. Ser criado por avó é muito bom, né?", recordou, ressaltando que fazia muito tempo que não passava por ali. "No passado a minha mãe, Vera Gimenez, trabalhava na Globo e meu pai não queria que eu fosse para o Rio. Então acabei morando com minha avó por mais ou menos 10 anos. Agora, estando aqui, neste mesmo lugar, acho que não deveria ter deixado meu pai vender essa casa", finalizou, cheia de nostalgia. #Entretenimento #entrevista