A cantora de funk Ludmilla foi nesta segunda-feira, 23, até a delegacia registrar uma ocorrência contra um internauta que teria feito postagens racistas em seu Instagram. O suspeito é homem e deve ser chamado para depor até sexta-feira desta semana. Embora o nome não tenha sido divulgado, a polícia revelou que o internauta tem 31 anos, é fichado por tentativa de homicídio e mora no Rio de Janeiro, mesma cidade da cantora. Esta não é a primeira vez que Ludmilla tem que lidar com ofensas racistas em redes sociais e em entrevista, a funkeira disse que este tipo de situação “machuca e chateia”.

Nas postagens o suspeito chamou a cantora de “criola”, “feia e nojenta”, mas logo após a publicação de Ludmilla pedindo para que as pessoas ajudassem a descobrir quem era o dono do perfil, o homem publicou um pedido de desculpas.

Publicidade
Publicidade

Segundo o internauta foi tudo um mal entendido e ele não se considera racista.

Injúria racial

O #Crime de racismo é inafiançável e não prescreve, mas o internauta deve ser enquadrado no crime de de injúria racial podendo pegar até três anos de reclusão. De acordo com o artigo 140 do Código Penal, a injúria acontece quando se ofende alguém por causa da sua cor, etnia, raça, religião, origem, idade ou quando a pessoa é portadora de deficiência.

Casos na #Internet

O racismo é uma das mais perversas heranças da época da escravidão. Mesmo sendo um crime que não dá ao acusado o direito de fiança, são raros os juízes que interpretam as ofensas como crime de racismo, geralmente os casos são tratados como injúria. Recentemente outras famosas foram alvos de comentários racistas nas redes sociais.

Publicidade

As atrizes Taís Araújo e Cris Viana e também a jornalista Maria Júlia Coutinho, a Maju, enfrentaram situações semelhantes a de Ludmilla no final do ano passado.

Mesmo com os protestos de internautas, artistas e colegas de trabalho das três profissionais, desde que o episódio aconteceu não conseguiram encontrar os responsáveis e nem descobrir se os casos tinham ligação. De acordo com o Ministério Público, a Promotoria de Investigação Penal continua investigando os crimes cometidos na internet. #Famosos