A cantora Ludmilla esteve nesta segunda-feira (23) na Cidade da Polícia, zona norte do Rio de Janeiro para prestar queixa contra um homem que vem lhe atacando nas redes sociais. Ela foi até a Delegacia de Repressão a Crimes de #Internet e até compartilhou em seu Snapchat o momento em que estava chegando ao local.

O empresário da cantora informou que não foi a primeira vez que o agressor teria ofendido Ludmilla e que foram vários os ataques racistas contra ela. "Ele fazia isso direto e Ludmilla já tinha o bloqueado, mas o cara foi em outra rede social e fez novos comentários racistas", informou o empresário.

Antes porém de ir denunciar as agressões racistas, Ludmilla levantou todas as informações sobre o sujeito e já sabe até a academia dele.

Publicidade
Publicidade

Esses dados foram passados à polícia, o que irá facilitar a investigação do caso.

Em nota, a cantora informou que está muito triste como tudo isto e que seu escritório já está tomando todas as providências para que este crime não fique impune e que sirva de lição para que não venha a acontecer mais esse tipo de coisa com outras pessoas. Ludmilla disse que é preciso colocar um fim em todo tipo de preconceito e que as pessoas não podem permitir que esta falta de respeito continue.

Logo que Ludmilla anunciou que estaria denunciando os ataques racistas à polícia, seus fãs foram até o perfil do agressor e começaram a criticá-lo. Pouco tempo depois ele já tinha apagado seu perfil no Instagram, entretanto isto não impedirá a ação da polícia.

Além dos comentários racistas feitos contra Ludmilla, o agressor também ficava postando emoticons com desenho de banana e chamando a cantora de "macaca, criola e nojenta".

Publicidade

O agressor é um homem, que mora no Rio de Janeiro e dá aula de educação física e fisiculturismo. Em breve a polícia estará divulgando sua identidade e ele terá que depor e dar explicações sobre suas atitudes.

A atitude de Ludmilla serve de exemplo para todos aqueles que sofrem ameaças na internet ou são vítimas de racismo. Não pense que estas pessoas “anônimas” não podem ser descobertas e punidas. É só juntar o máximo possível de provas e se dirigir à polícia que há formas de identificar esses agressores e puni-los.

  #Famosos #Casos de polícia