Uma repórter do iG, que não quis se identificar, denunciou Biel, Gabriel Araújo Marins Rodrigues, 20 anos, por assédio sexual. O caso está sendo tratado pela 1ª Delegacia da Mulher de São Paulo. Durante a entrevista, a jovem se queixa de ter ouvido grosserias e do cantor, que chegou a dizer que se tivesse relação sexual com a jornalista a “a quebraria no meio”. Tudo foi gravado em áudio e vídeo e entregue na delegacia.

O caso aconteceu em maio e a denúncia foi feita agora, após a profissional, que teria saído chocada do local, contar com o apoio de colegas. A entrevista foi acompanhada por outros profissionais, pois era de divulgação do novo CD de Biel.

Publicidade
Publicidade

No áudio gravado, a repórter fala que tem quase a mesma idade do cantor e ele responde que idade não quer dizer nada, “Se te pego, te quebro no meio", teria dito Biel para a profissional, durante a entrevista.

O vídeo feito teria mais provas que serão usadas na investigação. Nele, aparece o cantor tendo que responder sobre o que é mais buscado no Google envolvendo o nome “Biel”. Uma das coisas muito pesquisadas “Biel é bi?”. Quando foi pedido para ele comentar essa dúvida frequente dos internautas, ele teria perguntado para a repórter se ela queria que ele mostrasse com “atos e ações”. Depois disse ser heterossexual e teria terminado com a frase: “Eu gosto é de boXXXX".

Durante a entrevista coletiva ele teria chamado a profissional de “gostosinha”. Ele pediu para que a moça atendesse uma ligação no celular dele, ela atendeu e avisou que ele estava dando entrevista e não poderia atender no momento.

Publicidade

Ao devolver o aparelho celular para o canto, Biel teria chamado a moça de "cuzona".

Logo após ele resolveu falar com o amigo, foi quando chamou a repórter de “gostosinha”. Ao final da entrevista Bial teria perguntado se a jornalista queria um selinho.

Todas as gravações serão usadas na investigação do caso, que foi registrado como assédio sexual. Para o iG, a repórter disse que decidiu procurar a justiça porque quer ser respeitada, poder trabalhar sem que esse tipo de coisa volte a acontecer e para nenhuma outra mulher passar por isso enquanto está trabalhando. O caso aconteceu em São Paulo.  #Famosos #Crime #Casos de polícia