Tanto a adaptação televisiva, “Game of Thrones” produzida pela HBO, quanto a saga literária que originou a série “As Crônicas de Gelo e Fogo”, escrita por George R. R. Martin, são inegáveis sucessos. O universo criado pelo autor é tão enorme, e tão minunciosamente detalhado, que os fãs não conseguem aderir a tamanha densidade de informações. Você entende as religiões de GOT? A Fé nos Sete? As crenças antigas? Foram resumidas abaixo - as principais citadas deste mundo, nesta primeira parte. Confira:

Os ândalos eram colonizadores da beira-mar de Essos, e estes invadiram o continente de Westeros. Eram fiéis ao que chamavam de “Os Sete”, e construíram diversos septos de adoração (templos) espalhados pelo sul da terra usurpada.

Publicidade
Publicidade

Seus Sacerdotes oram a cada uma das faces: o Pai (discernimento); a Mãe (berço e compaixão); a Velha (astúcia); o Ferreiro (dons e trabalho); a Donzela (ingenuidade e pureza); o Guerreiro (força em batalha); e o Estranho (morte e o desconhecido). Seguindo os princípios da Estrela de Sete Pontas, a bíblia dessa crença, Vilavelha passou a ser o núcleo da fé no mundo. O Septo Estrelado serviu de base para os Altos Septões guiarem as espadas da Fé Militante primária (semelhante à ordem dos Templários), transformaram fiéis de Dorne até o Gargalo e construíram a religião mais notória de Westeros.

Deuses Antigos

Os Filhos da Floresta, nativos de Westeros, adoravam múltiplos espíritos da natureza. Seus templos eram os bosques com represeiros - árvores cujos troncos eram entalhados em aspecto de face.

Publicidade

Os primeiros homens que desembarcaram no continente oprimiram estes povos, e suprimiram suas religiões. Todavia, o culto aos deuses antigos se fixou no Norte. Em Winterfell, parte da terra é prometida para uma floresta sagrada.

Deus Misterioso de Norvos

Somente os membros de uma seita sigilosa conhecem o nome deste deus. Os sacerdotes desta crença praticam rituais de flagelação, não fazem a barba e suas vestes são áspeas. Norvos é uma cidade livre, e teocrática, em Essos. Em seus templos-fortalezas, somente crentes verdadeiros podem adentrar.

Deus Cego

Nomeado Boash, era cultuado ao norte de Essos, em Lorath. Seus fiéis descendiam da Cidade Franca de Valíria e abdicaram da carne, vinho e sapatos. Os sacerdotes eunucos vendavam os olhos, afirmavam que a vida era abençoada e eterna e que todos eram semelhantes, independentemente dos níveis de fortuna, livre-arbítrio ou nobreza. Presentemente, a crença foi abolida.

Deus Afogado

Os naturais das Ilha de Ferro confiam que nasceram dos salões alagados do Deus Afogado, o fundador dos oceanos, que os criou com seus semelhantes e que ofereceu autoridade sobre todas as águas.

Publicidade

Esse deus não possui livros bíblicos ou santuários. Seus sacerdotes são maltrapilhos, descabelados e ignorantes, lavam-se apenas no mar e comem somente peixe. O Deus Afogado tem como oponente, o Deus da Tempestade – um ser perverso que abomina os homens. Ele envia chuvas, trovões e lampejos como amostra de sua fúria.

R’Hillor

Sem notoriedade em Westeros, é comum cultuá-lo em Essos. Os fiéis de R’Hillor, o Deus Vermelho, anseiam a chegada de um salvador: Azor Ahai renascido, que segurará a lâmina Luminífera e protegerá o mundo da escuridão. Seu templo, em Volantis, possivelmente é o maior de todos, medindo três vezes a dimensão do Grande Septo de Baelor, em Porto Real. Os servem nos templos de R’Hillor são escravos, obtidos na infância e educados para serem sacerdotes, guerreiros ou prostitutas do templo. #Televisão #Seriados #Game of Thrones