Ambiciosos, cruéis, imorais e inesquecíveis. Assim são os vilões da TV brasileira, que mesmo espalhando maldade por onde passam, caem nas graças do público e geralmente são mais amados que os mocinhos da história. Eles roubam a cena de tão populares e alguns são agredidos nas ruas, o que só legitima o sucesso nas telinhas.

Odete Roitman, vivida por Beatriz Segal, foi sem dúvidas a personificação do mal em Vale Tudo. Esnobe, poderosa e milionária, a empresária destratava a todos e não escondia o seu desprezo pelo Brasil. Vilã para mocinho nenhum botar defeito, Odete Roitman se aliou a Maria de Fátima (Glória Pires) e infernizou praticamente todos os personagens da trama.

Publicidade
Publicidade

Com um final épico, a vilã foi assassinada e se tornou protagonista de um dos mais comentados “quem matou” da TV brasileira. 

Como esquecer de Nazaré Tedesco (Renata Sorah) em A Senhora do Destino? Consagrada como uma das maiores e mais queridas vilãs de todos os tempos, a “Naza”, como era conhecida, deu show de interpretação, levou o público ao delírio e é muito lembrada até hoje.

A temida Carminha (Adriana Esteves), em Avenida Brasil, também deixou a sua marca na teledramaturgia brasileira. Com a sua veracidade e talento em cena, a menina criada em um lixão se transforma em uma mulher calculista e maléfica. No decorrer da novela, Carminha foi assassina, uma péssima madrasta, deu o golpe do baú e ainda traiu o marido Tufão (Murilo Benício) dentro da sua própria casa. Porém, nenhuma dessas maldades foi capaz de fazer o público odiar a vilã.

Publicidade

Pelo contrário, Carminha era ovacionada pelos bordões marcantes, atuação impecável e um leve toque de humor.

Em Amor à Vida, Mateus Solano se consagrou com o personagem Félix, um dos vilões mais cômicos da nossa história. O rapaz ganhou a adoração do público com sua inteligência para fazer maldades e suas frases sarcásticas. Além de jogar a sobrinha no lixo e internar a irmã em um hospício, o rapaz também salgou a santa ceia e viveu um casamento de fachada para tentar esconder a sua verdadeira opção sexual.

E para fechar nossa lista não podemos esquecer das vilãs mexicanas que também mexeram com as emoções dos telespectadores brasileiros. “A Usurpadora” foi um grande sucesso com Paola Bracho, intérprete das gêmeas Paola e Paulina, que protagonizou cenas que caíram no gosto popular e fizeram muitos brasileiros voltarem a atenção para o folhetim mexicano.     #Televisão #Mídia #Novelas