Ontem, domingo (19), o ator mirim do #SBT Matheus Ueta foi atacado em seu Facebook por comentários homofóbicos. Um de seus seguidores disse que o ruivo oriental "parece um viado" e se deu mal. O ator, que interpreta o personagem Kokimoto na produção infantil "Carrossel", respondeu "na lata" e com apenas 12 anos de idade mostrou que já tem cabeça de adulto. O menino disse que não teria problema em ser e que o problema estava em quem o chamava. Além disso, ele mandou o seguidor estudar para ser alguém na vida.

"Aff. Qual o seu problema? Eu não teria o menor problema em ser ou não 'veado'. Mas você tem problema, perde seu tempo em achar coisas sobre mim. Vai estudar e ser alguém na vida", escreveu Matheus no Facebook.

Publicidade
Publicidade

Logo em seguida, os outros seguidores de Matheus que viram o ataque homofóbico foram atrás do agressor, para apoiar o artista que já apresentou o "Bom Dia & Cia".

"A gente te ama muito. Esse povo tem recalque do seu talento. Não liga para eles não, lindo", postou um dos fãs de Matheus.

Teve também quem falou mal de quem chamou o artista de "veado": "Querido... #Homofobia é uma coisa muito feia. Se trata antes de usar a internet, viu? Beijinhos de luz!!!"

"Mais respeito, você não gosta, fique na sua, mas não machuque quem está aí para fazer o bem. O Matheus é só uma criança mas já demonstra ter postura de adulto. Parabéns a ele e cresça, babaca!!"

Homofobia mata

O preconceito contra homossexuais é um dos crimes que mais tem crescido e ganhado destaque na mídia atualmente. Na última semana, após o atirador Omar Matees assassinar friamente mais de 50 pessoas em uma boate gay, em Orlando, e deixar 53 feridos hospitalizados, muitos grupos organizados de ativistas reuniram-se para protestar nas ruas contra a homofobia.

Publicidade

Na cidade em que aconteceu o massacre, pessoas se vestiram de anjos para se manifestar contra o extermínio de homossexuais. Os ativistas realizaram a ação durante velórios de pessoas mortas na boate Pulse e montaram uma "barreira" para impedir que pessoas homofóbicas invadissem os cemitérios. #LGBT