Uma narrativa de gênero medieval, repleta de batalhas sanguinolentas e duelos com espadas, guerras, fantasia, gigantes e, claro, uma rainha má que não hesitaria em mandar assassinar criancinhas. Isso remete a algum seriado famoso? Não é coincidência, o conceito da nova novela gospel da #Rede Record foi inspirada em “Game of Thrones”, da HBO. “A Terra Prometida” estreia na próxima terça-feira, 5 de julho, substituindo o sucesso da emissora “Os Dez Mandamentos”.

O próprio autor do enredo, Renato Modesto, afirmou em entrevista cedida à "E+" (O Estado de S. Paulo) que tais influências acontecem de forma natural: "Eu gosto bastante de assistir filmes e seriados, e essas influências acontecem naturalmente.

Publicidade
Publicidade

E eu adoro #Game of Thrones".

Inicialmente, a novela contará com cento e cinquenta capítulos, mas isto pode mudar conforme a audiência – do mesmo modo que ocorreu com "Os Dez Mandamentos" – caso seja tão popular quanto sua antecessora.

A história abordará a transição da liderança de Israel, trazendo a morte de Moisés (Guilherme Winter) e a elevação de Josué (Sidney Sampaio). Diferentemente da HBO e os showrunners de "Game of Thrones", Renato Modesto não mantém segredos e já revelou vários spoilers: “No final, Josué morrerá. Os dois capítulos de estreia serão envoltos pelo mistério da morte de Moisés. O povo não sabe se ele morreu de fato. Mas será esclarecido no terceiro”, expôs. E o fim da trama? “Haverá uma passagem de tempo de trinta anos, com Josué idoso. O público verá sua morte”, revela sem rodeios.

Publicidade

Comparando com "Game of Thrones", "A Terra Prometida" terá tribos ao invés de casas. Substituindo as famílias centrais Targaryen, Stark, Lannister e Baratheon; entrarão Judá, Efraim, Manassés, Levitas, Aser, Benjamin, Naftali, Jericó e algumas outras tribos que simbolizam famílias menos relevantes. Foram escalados oitenta atores para o elenco.

Vale citar que a Rede Record não descarta seguir a mesma jornada de sua trama religiosa anterior e lançá-la em diferentes formatos “Nós vamos também para o cinema. A concepção do projeto é essa, lançar subprodutos”, afirmou o diretor Anderson Souza. #Novelas