A sexta temporada foi considera uma das melhores da trajetória de “Game of Thrones”, o seriado de maior audiência da atualidade, da HBO. Contudo, alguns deslizes foram observados - nada que comprometa o todo, é claro. Existem núcleos brilhantes, empolgantes, sanguinários, mas como nem tudo são rosas, existem alguns personagens que aparentemente são incapazes de conquistar o público ou uma lentidão para desenvolver algo simples ou ainda aquele momento do episódio em que você aguarda para que possa ir ao banheiro, como se fosse o intervalo comercial. 

Nesse contexto, foram apontados os cinco piores momentos da recém-encerrada temporada (via AdoroCinema), confira:

Nota: O conteúdo abaixo pode conter spoilers de #Game of Thrones. #Televisão #Seriados

  1. Davos com amnésia? O convívio entre Davos e a Sacerdotisa Vermelha, Melisandre, sempre foi difícil. Para que os desafetos trabalhassem juntos, minimamente em harmonia, para auxiliar Jon Snow, Davos, de maneira extremamente favorável, nunca lembrou de questionar a Melisandre sobre a princesa Shireen e Stannis durante quase toda a temporada, e só lembrou quando convenientemente Jon já havia retomado Winterfell.
  2. Anão monótono: Incontestavelmente, Tyrion Lannister é um dos personagens mais adorados pelo público, fãs de GOT. Um inteligentíssimo diplomata e exímio jogador, além de ser dono de mais da metade das frases de efeito do seriado, detestado pela irmã e resignado por seu pai, o anão garantiu cenas memoráveis durante a saga. Mas ele foi extremamente mal explorado em Meereen. Os momentos épicos de Tyrion foram postos de lado e o personagem se restringiu à piadas desnecessárias.
  3. Os Lannister, Tyrell, Baratheon e Porto Real: Sim, a cena de explosão - com fogovivo - no season finale foi extremamente bela e bem executada. Todavia, o núcleo que se envolveu por trás disso foi maçante. O conflito político que rodeou a capital tornou difícil querer torcer por qualquer um dali. Sem citar os intermináveis monólogos do Alto Pardal, que eram desinteressantes e ocorriam a cada vez que ele estava em cena. O encerramento deste arco, felizmente, foi um dos melhores de GOT e deixou todos ansiosos pela sétima temporada.
  4. Arya em Braavos: Desde suas primeiras aparições, Arya Stark sempre esteve entre os personagens mais queridos. O público torce para que ela risque todos os nomes de sua lista da vingança. Porém, a história dela este ano foi tão arrastada e com conversas repetidas sobre ‘uma garota possui um nome e uma garota não possui um nome’, que se tornou difícil se envolver verdadeiramente. E nada explica a recuperação na velocidade da luz que ela teve após levar uma facada na barriga. Ok, é uma narrativa fantasiosa que envolve dragões, mas não é por isso que a coerência deve ser abandonada, certo?
  5. Dorne não faz falta: Talvez o arco mais interessante da história de GOT. Dorne serviu de lembrete de como nenhum personagem ou trama vinda deste núcleo conquistou os telespectadores. Possivelmente pelo fato de que ninguém foi propriamente apresentado e desenvolvido.