Em uma entrevista à GQ, Jared Leto fala como se preparou para viver um dos mais #Famosos personagens do #Cinema mundial, o Coringa de Esquadrão Suicida. Falou também sobre crenças, onde confessa não acreditar que Deus exista e que as pesquisas para encarnar o Coringa quase o levaram longe demais.O astro diz que, a certa altura da pesquisa sobre violência, começou a assistir coisas que, independentemente de crença, "nenhuma pessoa deveria ver ou viver", E garante que aquilo tudo estava lhe fazendo muito mal, por isso teve que parar. Leto admite que já fez filmes bem sombrios e que, se a pessoa deixar, a violência começa a entrar na sua vida.

 "Esquadrão Suicida" é um dos filmes mais aguardados de 2016.

Publicidade
Publicidade

Sua estreia é nesta quinta-feira (4) e traz grandes expectativas para quem gosta de histórias em quadrinhos com personagens tão queridos. As comparações serão inevitáveis, pois outros dois grandes astros do cinema também viveram o vilão: Jack Nicholson em 1989, e Heath Ledger, em 2008. Até hoje a interpretação de Ledger foi a mais elogiada.

No decorrer da entrevista Jared Leto confessa que não acredita em Deus, não num Deus que fica de longe, sentado e julgando as pessoas. Segundo ele, não diz isso para se sentir superior a ninguém, mas simplesmente porque as pessoas devem acreditar em algo que as faça se sentirem bem. Leto diz que para ele, Deus não se parece com um cara barbudo lá em cima, dizendo: "Ah, então você fez isso e isso?", disse.

Para viver o Coringa no cinema o astro hollywoodiano mergulhou de cabeça nas pesquisas, mas parece ter ultrapassado alguns limites e teve várias atitudes consideradas insanas.

Publicidade

Uma delas foi assustar o diretor do filme, David Ayer, e a co-estrela Scott Eastwood. Depois enviou um porco morto ao elenco e também mandou um pequeno rato a Margot Robbie. Nos bastidores comenta-se que o ator não consegue se desvencilhar do personagem nem quando acabam as gravações. E para quem não se lembra, Heath Ledger suicidou-se logo após o final das filmagens.