A rede de TV mais feliz do Brasil está completando 35 anos de existência, e a festa da emissora ainda é comandada pelo seu fundador. A rede de #Televisão não é mais vice-líder isolada no Ibope, disputando a preferência do público com a Record. Apesar da idade, o #SBT está, neste ano, refazendo pegadinhas que fizeram sucesso no passado, irá lançar novamente a Parada das Crianças, que foi sucesso na década de 80, e está gravando o remake mexicano "Carinha de Anjo", novela essa que fez sucesso no Brasil em 1991, com sua versão mexicana.

O SBT vive de suas produções e exibições do passado. #Silvio Santos já fez o registro do palhaço Bozo, do jornal "Aqui Agora" e produziu um fenômeno mexicano, a novela "Carrossel".

Publicidade
Publicidade

Como se não bastasse, a exibição de "Chaves" é um coringa da emissora que também reapresenta constantemente os sucessos novelísticos Maria do Bairro" e "A Usurpadora", ambas em versão mexicana.

O especialista em TV da Universidade Stanford (EUA), Jacob P. Goldberg, que, além de professor é psicólogo, dá uma explicação para a grade do SBT. Para o autor, que escreveu o livro "Psicologia em Curta-Metragem", os telespectadores têm uma certa nostalgia que é alimentada pelas atrações de remakes ou reprises.

Público ainda aprova o SBT

A música, “‘Silvio Santos vem aí’, virou o bordão para a chegada do apresentador em seus programas. Com ela, vem a ideia de que toda a história do SBT não será perdida e poderá ser revista, pois Silvio promete ser eterno, não abandonando o passado. Em suas novelas mexicanas, tidas como dramalhões devido ao excesso de melancolia, as expressões dos atores são sempre exacerbadas, desde os gestos até o olhar e maneira de sorrir.

Publicidade

O SBT lida com a emoção do seu público, deixando um pouco da inteligência de lado.

O professor, psicólogo, ainda explica que os expectadores não querem ser convencidos de algo a todo momento em frente à TV. As pessoas procuram fugir da realidade e ser menos crítico, assim não sendo persuadidas. O SBT oferece essa oportunidade, pois fugir para o passado é muito sedutor.