Mesmo em meio a esse momento de tristeza, com o velório e enterro de Domingos Montagner, profissional querido pelo público e colegas de trabalho, os responsáveis por “Velho Chico”, os autores Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi, e o diretor Luiz Fernando Carvalho, bateram o martelo sobre o desfecho de Santo.

Diferente do que foi cogitado pela imprensa, os atores da primeira fase não serão escalados para gravar as cenas finais de #santo e tereza, no lugar de Domingos e Camila Pitanga. O recurso foi utilizado em Império, no ano passado, quando Drica Moraes passou mal e precisou ser substituída por Marjorie Estiano, que viveu a vilã na primeira fase do enredo assinado por Aguinaldo Silva.

Publicidade
Publicidade

Em conversa com o site Notícias da TV, Luiz Fernando Carvalho explicou que, como só faltavam três cenas para serem filmadas por Montagner, vai ser possível manter o desfecho desejado pelos autores.

"Domingos já havia gravado muitas cenas pra frente da história. Nada mudará na estrutura narrativa. Não lançaremos mão de explicação alguma, simplesmente Ele estará lá. Sua presença será sentida por cada um dos personagens como também pelos telespectadores. Ou talvez sua ausência, isso vai depender da sensibilidade de cada pessoa", falou o diretor.

Como isso vai ser possível? A ideia é que a câmera sirva como o olhar de Santo. Assim, ela será posicionada nos locais em que ele deveria estar. Ou seja, os personagens olharão para a câmera como se realmente estivessem interagindo com o agrônomo.

Dessa forma, a Globo pretende homenagear #Domingos Montagner e permitir que ele "conclua" o trabalho, elogiadíssimo e tido como um dos principais responsáveis pelos resultados de #Velho Chico, que sai de cena tendo elevado a audiência da faixa das 21h, depois do fracasso de Babilônia e dos números aquém do esperado de A Regra do Jogo.

Publicidade

A propósito, dentre os momentos que faltavam Domingos Montagner gravar, está o casamento de Santo e Tereza. Apesar disso, a cena final, em que os dois aparecem lado a lado celebrando o sucesso do projeto de Miguel (Gabriel Leone), filmada nas proximidades do Rio São Francisco, local da tragédia, foi realizada pelo ator.