A jornalista Tereza Cruvinel bateu forte no governo de Michel Temer, em sua coluna publicada hoje (20), no portal 247. No artigo intitulado '#Tv Brasil deixa de ser pública e vai retransmitir #TV CULTURA', a colunista escreve sobre o desmonte que o Governo Federal vem fazendo na Empresa Brasil de Comunicação (#EBC).

Com a extinção do Conselho Curador da empresa, que também administra a Agência Brasil e a TV Brasil, a jornalista aponta para a criação de uma empresa governamental ou estatal, rebaixando a instituição criada e gerida com a participação da sociedade para prestar serviços de comunicação pública, nos termos previstos pela Constituição.

Publicidade
Publicidade

Com a saída de Ricardo Mello, pela segunda vez, da presidência da EBC, depois que o ministro do Supremo, Dias Toffoli, revogou a decisão que garantia a permanência do presidente no cargo, foi nomeado Laerte Rimolí por indicação do Governo Temer.

A colunista, que esteve na direção da EBC de 2007 a 2011, aponta o crescimento da emissora: parcerias com emissoras educativas e independentes, produção, licenciamentos de conteúdos para sua grade e das parceiras. 

Tereza Cruvinel denuncia que um acordo está sendo feito pela EBC e TV Cultura. A TV Brasil passaria a retransmitir toda a programação da emissora paulista. Para a jornalista é ''retrógrada a decisão de rebaixar uma instituição criada e gerida com a participação da sociedade, a um mero aparelho de comunicação governamental". A troca da grade própria de uma emissora pela outra tem o claro propósito de desmonte da EBC.

Publicidade

Conselho Nacional dos Direitos Humanos critica mudanças na EBC

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos publicou uma nota repudiando a extinção do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), exigindo a garantia da participação da sociedade - o conselho foi extinto pela Medida Provisória 744, de 1º de setembro de 2016. Pedem independência em relação ao Governo Federal para definir e produzir conteúdos.

O conselho é composto por 22 membros, sendo 15 representantes da sociedade civil eleitos por processo público.