O heptacampeão de Fórmula 1, Michael Schumacher, não tem aparecido para as câmeras ou máquinas fotográficas desde que sofreu o acidente, em dezembro de 2013. Porém, seu nome foi lembrado no fim de 2015, quando a revista alemã “Bunte” escreveu que o piloto apresentava melhoras: conseguia caminhar ou levantar um dos braços como parte da recuperação de sua locomoção. 

Esta semana, o advogado da família, Felix Damm, declarou que irá processar a publicação por dano moral e difamação. Ele negou a informação de que Schummi estivesse com esse grau de evolução no tratamento. O objetivo do processar a revista seria a preservação tanto da imagem do piloto quanto a especulações sobre a real condição de #Saúde de Schumacher.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Felix, o “alemão voador” não consegue se levantar da cama nem com o auxílio dos que estão ao seu redor, cuidando dele.

“Toda especulação é irresponsável, porque traz seríssimos problemas  e a privacidade é muito importante para Michael” declarou o advogado.

Perguntado sobre qual seria o montante da indenização requerido, Felix Damm não quis revelar o valor. A audiência entre as partes para resolver o litígio ainda não foi marcada pela #Justiça alemã.

Tanto a esposa de Schummi, Corinna Betsch, quanto a família adotam uma postura discreta e sigilosa sobre a saúde e as novidades sobre o estado de Michael Schumacher. Pouca coisa se divulga ou se trata a respeito, dando margem a questionamentos. Quando se tem algo mais relevante, quem fala é a porta-voz Sabine Kehm, alegando que a “situação privada é tão complicada que lamentavelmente não se pode revelar nada”.

Publicidade

Correm boatos, inclusive, de que a família já gastou - e ainda gasta - milhares ou milhões de dólares,  beirando a possibilidade de que bens e até imóveis que o piloto tinha em seu patrimônio foram vendidos ou estão para vender.

Recapitulação do acidente

Michael Schumacher sofreu um grave acidente enquanto descia de esqui numa estação de inverno dos Alpes franceses. Ele bateu a cabeça contra uma pedra no percurso de descida e, mesmo usando capacete, o impacto foi tão forte que deixou sequelas. Teve lesões cerebrais de extrema gravidade e ficou em coma por um tempo. Os médicos recomendaram sua transferência para a casa da família, localizada na Suíça, onde está até hoje. Segundo informações, ele tem demonstrado muita dificuldade nas suas capacidades de comunicação. #Automobilismo