Esta quarta-feira, 31, foi extremamente movimentada na política brasileira. Pela primeira vez no país, um processo de #Impeachment chegou até ao fim, com o Senado Federal depondo Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). No dia em que a petista foi cassada, o principal telejornal da televisão brasileira, o 'Jornal Nacional', deu grande destaque ao tema, mas acabou pedindo desculpa por um erro envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A errata foi lida pelo apresentador William Bonner. O jornalista disse que o noticiário revelou que o Instituto #Lula, vinculado ao político, seria obrigado a pagar uma multa à Receita Federal, além de perder a isenção de impostos, que ocorre desde 2012. 

Na verdade, o Instituto foi notificado sobre a abertura de processo na Justiça contra ele, podendo recorrer da decisão.

Publicidade
Publicidade

Caso seja condenado, aí sim a entidade vinculada ao ex-líder sindical pagaria uma multa milionária, além de ficar sem o benefício da isenção, geralmente dada à Organizações Não Governamentais. Essa é apenas mais uma polêmica envolvendo o 'Jornal Nacional' e Lula. Durante chamadas de seu programa eleitoral, o PT acusa a mídia, em especial a TV Globo, de promover o que chama de "golpe parlamentar", que foi o processo que levou à deposição de Dilma e colocou o então vice, Michel Temer, e agora presidente da república definitivo, no poder. 

No meio do ano, o petista chegou a pedir um direito de resposta à Globo por supostamente não ter entrado em contato com ele. O canal acabou guardando provas que entrou e escancarou tudo na TV. 

De acordo com o ex-Ministro da Justiça e advogado de Rousseff, José Eduardo Cardozo, o Partido dos Trabalhadores entrará com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar anular a votação histórica do Senado Federal.

Publicidade

Uma reversão desta é extremamente improvável, fora que, de qualquer forma, processos na mais alta corte do país, costumam ser bem demorados. 

Veja o vídeo com o pedido de desculpa de William Bonner e da Globo a Lula: