Ícone supremo do rock nacional dos anos 80, Renato Russo morreu em 11 de outubro de 1996 vítima do vírus da #AIDS, desde então sua legião de fãs não para de crescer. Dono de uma potente voz e escritor de dezenas de clássicos da música, o líder da banda #Legião Urbana deixou um enorme acervo pessoal e uma obra que resiste ao tempo.

Para os próximos meses já estão confirmados os lançamentos de materiais extras, caixas especiais, filme, musical, coletânea de regravações, diário pessoal, biografia e exposição de objetos pessoais. Tudo com o objetivo de manter viva a memória do Trovador Solitário.

O livro "The 42nd St. Band - Romance de Uma Banda Imaginária" será lançado ainda esse mês e reúne cadernos escritos em inglês pelo então Renato Manfredini Júnior, no auge de seus 15 anos de idade.

Publicidade
Publicidade

A banda imaginária do garoto descrita no livro, veio a se tornar mais tarde seu sobrenome famoso. O personagem Eric Russel, daí surgiu o "Russo", dividia o palco com o ex-guitarrista dos Rolling Stones, Mick Taylor. Neste livro os fãs poderão observar que Renato já projetava o que viria a ser a Legião Urbana e tudo que a banda iria enfrentar no showbusiness em geral. 

Outro livro chegando que deve chegar as livrarias é a edição ampliada e revisada da biografia "#Renato Russo - O Filho da Revolução", escrita por Carlos Marcelo. O escritor é ainda responsável pelo texto de apresentação de uma caixa que será lançada em breve com os quatro álbuns solo de Renato batizada de "A Força de Uma Vida", que dentre os álbuns promete ainda trazer uma série de extras. Outro CD sendo preparado é uma coletânea com regravações de sucessos feitas por outros artistas. 

No Rio de Janeiro dia 11 de outubro estreia, no Centro Cultural dos Correios, a peça "Renato Russo, o Musical", produzida pelo ator Bruce Gomlevsky.

Publicidade

Já para as telonas, o diretor René Sampaio, que em 2013 dirigiu "Faroeste Caboclo" contando a vida de João de Santo Cristo, prepara um novo filme baseado em um outro clássico da Legião, "Eduardo e Mônica".

No início do ano foi lançado em forma de CD duplo a edição comemorativa do primeiro álbum homônimo da Legião Urbana e muitos lançamentos ainda haverão de vir, pois ao que parece, o baú de um dos grandes gênios da música brasileira não tem fundo e sua obra resiste muito bem há esses 20 anos de perda. Os fãs da boa música agradecem!