O sumiço de Martim em Velho Chico será a gota d'água para Afrânio se desentender com Carlos. O ex-coronel fica revoltado por não saber do paradeiro do filho e parte pra cima do genro - sabendo que o deputado com certeza tem alguma culpa do cartório. Segundo a colunista do Jornal O Globo, tudo começa quando Santo avisa ao sogro que o fotógrafo sumiu no mapa. O agricultor explica que foi em busca do cunhado, mas apenas encontrou fotos feitas por ele que flagram um crime do político.

Com a informação de Santo, Afrânio liga os pontos e decide confrontar Carlos Eduardo. Assim que o deputado chega em casa, o ex-coronel não poupa sua raiva e dá um tiro para o alto.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, o Saruê acerta uma coronhada no genro e pergunta onde está Martim. Mesmo assustado, o político consegue mentir e responde que não sabe de nada.

Afrânio não desiste e lembra que Carlos mandou matar Santo, então acredita que o genro também fez alguma coisa com o irmão de Tereza. "Não atirei em Martim, pelo amor de Deus", justifica o deputado, alegando que o sogro ficou maluco ao pensar nessa hipótese, já que ele e o fotógrafo são quase como irmãos. A resposta deixa o ex-coronel ainda mais irritado em #Velho Chico, então ele empurra o vilão e aponta sua arma para ele.

Em um impulso, Afrânio aperta o gatilho! Mas após alguns momentos de suspense, a sequência mostra que o tiro passou perto da cabeça do deputado, mas não o acertou. Assim, Carlos fica assustado de vez e pergunta se o sogro enlouqueceu.

Publicidade

O Saruê mostra as fotos dadas por Santo e explica que aqueles são os últimos registros do filho. Acuado, o ex de Tereza começa a se defender e pergunta como ele sabe que foi Martim quem fotografou a ocasião.

Após discutir sobre a autenticidade das fotos, Carlos decide ser mais agressivo e afirma que o sogro não vai atirar. "O senhor não é um assassino, coronel", provoca ele, completando que se algo tiver acontecido a Martim, ele não é o culpado. "Isso foi intriga, querem destruir nossa relação, o senhor não vê?", justifica o político.

Afrânio encerra o assunto dizendo que vai procurar Martim e, se não o encontrar, volta para matar Carlos. "Será a única morte que carregarei nas costas. Só que isso eu não me arrependerei!", decreta o ex-coronel, que ainda dá um último golpe no genro antes de sair. #Novelas #Conectados