O ano de 2016, definitivamente, não foi um dos melhores para Cláudia Leitte. A cantora atravessa uma fase bem complicada, com cancelamentos de shows por falta de público, críticas em sua apresentação como jurada no programa ‘#The Voice Brasil’, mas o pior ainda estava por vir. Na última quinta-feira (20), saiu em toda a mídia que funcionários da artista estão revoltados com a situação na qual se encontram, sem carteira assinada, recebimento de férias, hora extra trabalhadas, recolhimento do FGTS, entre outros. Eles alegam que trabalham com a cantora há mais de 8 anos e não poderiam mais continuar nesta situação.

Paulo Sampaio, ex-assessor de imprensa e tio de Claudinha, entrou na justiça com uma ação trabalhista, e seu advogado pede uma indenização de meio milhão de reais pelo período em que ele se dedicou à carreira da cantora.

Publicidade
Publicidade

Um empresário que vendia as apresentações também alega prejuízos e quer receber valores em aberto na justiça. A jornalista Fabíola Reipert, do portal R7, diz que outros funcionários ameaçam tomar a mesma medida.

Tudo isso já seria um grande pesadelo, mas infelizmente o que está ruim, ainda pode piorar. Na tarde desta sexta-feira (21), o Ministério Público exigiu a devolução de 1 milhão e duzentos mil reais aos cofres públicos pelo motivo de #Claudia Leitte não ter cumprido a #Lei Rouanet. O governo diz que as contas não batem na prestação de contas, onde em 2013, a artista captou um recurso generoso de cinco milhões e oitenta e oito mil reais, para a realização de 12 shows.

Os advogados e assessores se manifestaram, discordando da cobrança, alegando que todos os eventos foram cumpridos dentro do projeto apresentado ao MinC (Ministério da Cultura).

Publicidade

Eles estão analisando os documentos apresentados, mas afirmam que entrarão com um recurso na tentativa de anular a decisão do governo.

Em fevereiro deste ano, Cláudia Leitte entrou com um novo pedido de captação de recursos, num projeto de produção e lançamento de sua biografia. Foi apresentado um projeto solicitando 540 mil reais ao MinC, que liberou 350 mil reais. A notícia logo saiu na imprensa e, devido à crise que nosso país atravessa, Cláudia foi severamente criticada pelo povo nas redes sociais, e então desistiu de levar o projeto adiante.