A jovem Jéssica Miranda Flores, de vinte e dois anos, ficou desaparecida por mais de um mês. A família dela estava desesperada procurando o seu paradeiro. Nesta quinta-feira, 13, o #Crime teve um novo capítulo e Jéssica foi encontrada. O que os amigos e parentes jamais podiam imaginar é como tudo aconteceria. O corpo da bela estava concretado em uma das paredes de uma casa em Piracicaba, em São Paulo. O local ainda estava em construção. A Delegacia de Investigações Gerais (DIG), que publicou o laudo sobre a morte, disse que a identificação foi feita pelo exame da arcada dentária da vítima. Isso porque o corpo dela estava completamente em decomposição. 

Agora a polícia tem muitas dúvidas, como por exemplo, saber se Jéssica foi concretada viva e porque alguém poderia ter feito isso com ela.

Publicidade
Publicidade

Para isso, familiares da jovem vão prestar depoimentos. O objetivo é tentar identificar quem teria cometido tamanha barbaridade.  A causa da morte também será investigada após laudo necroscópico, como revela em uma entrevista ao portal de notícias G1, o delegado Fernando Dultra, da DIG de Piracicaba. O portal de informações da Globo também dá o endereço do local onde o corpo da jovem foi encontrado, no bairro Vila Cristina. 

O que motivou a polícia a ir até a propriedade era o forte odor que saia do local. Vizinhos, muito incomodados com o cheiro de podre, acabaram ligando para a polícia. Os policiais então foram até o caminho do odor, até que acharam uma parede diferente das demais. Eles então decidiram quebrar ali e encontraram o corpo da até então desaparecida. Ao que se sabe, a mulher morava a apenas quatro quadras do local, o que faz os agentes da lei acreditarem que ela tenha ido andando até a casa em que ela morreria. 

A família deu Jéssica como desaparecida no dia 09 de setembro.

Publicidade

Quem registrou o sumiço foi a mãe da jovem. Ela confessou que a filha era usuária de drogas. O enterro da vítima foi feito na terça-feira, 11. O corpo da jovem estava enterrado em pé e enrolado com um cobertor.  #Investigação Criminal