Antônio Carlos Bernardes Gomes e Mauro Faccio Gonçalves. Talvez você não reconheça esses nomes e os confunda com algum poeta ou escritor de romances do século passado. Mas esses são os nomes reais de duas lendas do humor brasileiro: Mussum e Zacarias, respectivamente. 

Considerados por muitos os melhores "Trapalhões", os dois se foram muito cedo e deixaram muita saudade. E essa semana, a página do #Facebook "Mussum Sinceris - #Os Trapalhões" deu uma revirada em seu baú e nos presenteou com essas raras imagens da dupla ao longo de suas carreiras: 

Bastidores do programa Os trapalhões com o companheiro Dedé e algumas crianças, possivelmente do grupo Balão Mágico em janeiro de 1983.

Publicidade
Publicidade

Nosso eterno Mumu da Mangueira, ainda no tempo de tocador de reco-reco no grupo Os Originais do Samba, na década de 60.

À esquerda vemos Mauro ainda moço, antes de perder os cabelos como na imagem da direita (sem a tradicional peruca), quando já era conhecido nacionalmente como um "Trapalhão".

Antônio Carlos em um ensaio da Mangueira, escola de samba do seu coração. Enquanto esteve vivo, foi sempre um dos maiores símbolos da escola.

Mussum de Punk em Hollywood, nos bastidores do filme "Os Saltimbancos Trapalhões", um dos maiores sucessos do grupo e dono da oitava maior bilheteria de filmes nacionais de todos os tempos. Esse filme foi rodado em 1981, com direção de J.B.Tanko e trilha sonora de Chico Buarque.

Mauro se caracterizando de Zacarias, em meados da década de 80. Maquiagem e peruca indispensáveis para torná-lo no trapalhão mais querido das crianças.

Publicidade

Com os companheiros Didi e Dedé nos bastidores de um show em que jogavam bola com convidados especiais, que nesse dia foi nada mais, nada menos que o Zico.

Mussum no início de sua carreira como músico, tocando bateria para o grupo Os Originais do Samba em uma viagem ao México.

Mauro, com o nome de Zacarias Kotonete, no filme "Deu a louca nas mulheres", de 1977. Nessa época, ele já fazia parte do programa "Os Trapalhões", na #Rede Globo, mas ainda não participava dos filmes do grupo. O que aconteceria no ano seguinte com o filme "Os Trapalhões na guerra dos Planetas".

Casamento do nosso eterno Mumu da Mangueira com dona Neila, em 3 de novembro de 1972.