Agentes policiais investigam a morte de um garoto de treze anos que aconteceu no litoral de São Paulo. Gustavo Riveiros Detter estava em um vídeo ao vivo, que mostrava um jogo feito em grupo. Durante a brincadeira, ele acabou se enforcando e se matando.  A polícia agora quer saber se existe alguma forma de se resgatar este conteúdo na web. Ao que se sabe, de acordo com os próprios amigos do menino, que acabou se matando, ele estava em frente ao computador, quando tomou a decisão. Ele havia perdido a brincadeira e a penitência seria o enforcamento. No entanto, essa parte da história ainda está sendo investigada pela polícia, como mostra uma reportagem do jornal 'O Globo' publicada nesta segunda-feira, 17. 

O nome do tal jogo é "jogo do desmaio", uma prática mais comum nos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Nessa brincadeira, a pessoa tem a missão de ficar o maior tempo possível com a corda no pescoço. Os outros adolescentes, que viam tudo ao vivo, devem ser chamados para prestar depoimentos. O menino não morreu no local. Ele ainda chegou a ser levado para um hospital, mas não resistiu após ficar menos de 24 horas na unidade hospitalar. A corda em que o menino se enforcou era a utilizada para segurar um saco de boxe. Já se sabe que essa não é a primeira vez que o garoto gamer faz isso. Um tio dele disse já ele já tinha realizado a mesma estratégia antes. 

De acordo com o mesmo tio, no dia do enforcamento que levou o menino para o hospital, ele brincava com outros três jovens no jogo online. A disputa perdida foi em 'League of Legends'. Ele revelou que tudo o que o sobrinho fez foi acompanhado em tempo real pelos colegas.

Publicidade

Um dos jogadores escreveu em uma das conversas que achava que o “Detter” (sobrenome da vítima) tinha ido se enforcar de novo, como mostram as mensagem encontradas em aplicativos, como o messenger e o Whatsapp. Antes de se enformar, o garoto escreveu uma frase macabra nas redes sociais. 

 "Meu sonho é morar num cemitério", disse ele. Outro internauta dizia que não aguentava mais os "desafios".  #Crime #Investigação Criminal