Nesta segunda-feira, 07, o #SBT lançou sua 'arma secreta' contra a Rede Globo de Televisão. O canal de Silvio Santos decidiu passar, pela sétima vez, o maior sucesso mexicano já feito em terras brasileiras, 'A Usurpadora'. Protagonizada por Gabriela Spanic, o folhetim da década de 1990 é um típico 'novelão', a começar pelas gêmeas. Paola Bracho é a vilã que todo mundo gostaria de ser. Já Paulina, mesmo sendo boazinha, tem personalidade e logo conquistará o amor de Carlos Daniel. Por conta da história, Gabriela Spanic tornou-se uma celebridade aqui no Brasil e uma espécie de 'Chaves' da dramaturgia 'Sbtista'. 

Sabendo disso, o dono do canal, Silvio Santos, escalou a história para elevar a audiência do 'Fofocando'.

Publicidade
Publicidade

Apresentado por Mara Maravilha, Mama Bruschetta, Leão Lobo e pelo 'Homem do Saco', a atração está ficando constantemente no terceiro lugar de audiência. A exibição de '#A Usurpadora' pela sétima vez fez o nome do folhetim chegar ao tipo dos assuntos mais comentados do mundo no Twitter. A audiência na rede social foi de dar inveja em Ruth e Raquel (Glória Pires), gêmeas mais famosas da história dramatúrgica da Globo.

Com um horário estratégico, a história de Paulina e Paola Bracho promete virar uma verdadeira vilã para a TV Globo. É bom lembrar que não é todo o Brasil que está podendo assistir ao novelão. Isso porque em muitas regiões existe um telejornal local neste horário. A ideia de Silvio é consolidar mesmo o 'Fofocando'. Por isso, na briga direta entre três programas da Globo - 'Globo Esporte', 'Jornal Hoje' e 'Vídeo Show' - o SBT exibiu 'A Usurpadora' sem qualquer intervalo.

Publicidade

Não faltaram memes, é claro, para brindar o sucesso desse retorno. Separamos abaixo alguns deles. Teve gente que não gostou de ficar sem a novela por conta da programação local das afiliadas do SBT.

Houve também quem riu bastante da Globo, afinal, ela vai ter que segurar a "marimba" a partir de agora.

O SBT também não perdeu a piada e chamou as concorrentes de 'recalcadas'.  Impossível não amar, né?