A cantora #Claudia Leitte faz o maior sucesso como jurada do 'The Voice Brasil', na Rede Globo de Televisão. No entanto, algumas informações envolvendo o seu nome na parte jurídica, estão causando maior alvoroço. Isso porque o ministério da cultura rejeitou a prestação de contas da equipe da cantora de shows, que foram realizados graças à captação de recursos da Lei Rouanet. A polêmica lei permite que os mais variados artistas captem dinheiro de empresas e o governo abdique de uma faixa do Imposto de Renda que seria pago por estas. Os shows que estão provocando a maior polêmica foram realizados na região do Nordeste e do Centro-Oeste.

Por conta dos problemas, o Ministério da cultura pede que Claudia Leitte devolva todo dinheiro arrecadado durante o projeto.

Publicidade
Publicidade

Ao todo, a quantia chega a um milhão e duzentos mil reais. O motivo, de acordo com a pasta, que atualmente é chefiada por Marcelo Calero, é que houve falta de comprovação de que uma parte dos ingressos tenham sido doados. Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, publicada neste sábado 12, a parte jurídica da jurada do The Voica nega que ela não tenha democratizado o acesso ao seu shows. Eles dizem que o valor dos ingressos eram bem baratos, mais do que o normal. Boa parte deles, segundo os advogados, foram vendidos a R$ 35.

Caso Cláudia seja condenada, além de ter que devolver doze milhões, ela ficará três anos sem poder captar dinheiro através da lei. Segundo os advogados, seria muito injusto ela não poder ficar captando esse dinheiro, já que não teria cometido nenhuma irregularidade.

Publicidade

Tudo começou quando a jurada do The Voice Brasil teve as contas dos seus shows, realizados no Nordeste no Centro-Oeste, rejeitadas. Claudia chegou a pedir para captar mais de 6 milhões de reais. Os Shows foram realizados no ano de 2013

Ao todo foram 12 apresentações. Ela recebeu do ministério da cultura o aval para captar 5,88 milhões de reais. Ela, no entanto, acabou captando apenas um vírgula dois milhão, que é o valor que o ministério da cultura pede de volta.