A Marvel Studios soma mais um acerto ao seu quase impecável currículo com '#Doutor Estranho', que faz parte de uma audaciosa aposta de inserção de novos heróis em seu universo cinematográfico, como: 'Homem-Formiga' e 'Pantera Negra'.

O estúdio buscou um caminho mais sério para trazer para as telonas o tão esperado 'plano astral', sendo o segundo de sete níveis de existência. Um elemento completamente inovador para os filmes de super-heróis, contudo, para quem é fã de HQ sabe que a projeção Astral sempre fez parte da história do personagem.

A difícil tarefa de desenvolver o show de efeitos visuais que o filme proporciona, fcou a cargo do diretor Scott Derrickson ('O Exorcismo de Emily Rose'), e que por sinal desempenhou muito bem seu papel apostando nas imagens caleidoscópicas, frenéticas, e alucinantes.

Publicidade
Publicidade

A responsabilidade foi dividida com a fotograia de Ben Davis que conseguiu orquestrar tão bem as sequências que deixou 'A Origem' para trás.

O enredo do longa acompanha um arrogante neurocirurgião Dr. Stephen Strange, que é mundialmente conhecido por seu trabalho impecável. Ele enfrenta uma reviravolta em sua vida quando sofre um acidente automobilístico e lesiona gravemente os nervos das mãos, impedindo-o de exercer sua profissão. Desesperado por uma cura, quando a medicina não é capaz de fazê-lo, Strange viaja em busca de um local improvável que, aparentemente, pode ajudá-lo, Kamar-Taj.

Logo ele descobre que não se trata de um centro de cura, mas sim um templo destinado a batalhar contra as forças do mal que ameaçam a realidade que a humanidade conhece. Durante seu treinamento como mago, Strange se vê entre a difícil decisão de retornar à sua antiga vida de prestígio ou proteger o mundo.

Publicidade

O personagem muito se assemelha ao Tony Stark antes do Homem de Ferro, rico, playboy, inteligente, porém, a fórmula #Marvel se mostrou novamente bem sucedida. O roteiro de Jon Spaihts, C. Robert Cargill e Scott Derrickson apresentou o Stephen Strange da melhor maneira possível, de maneira coesa e causando muita empatia com um herói completamente humano.

Não faltaram as piadas que se tornaram marca registrada do Universo Marvel, embora o filme não seja tão cômico quanto Homem-Formiga.

O elenco é outro ponto de acerto e destaque do filme, que traz Benedict Cumberbatch ('Sherlock') como o protagonista, e que abusa do carisma, entregando uma atuação fantástica.

A premiada Tilda Swinton ('O Grande Hotel Budapeste') foi uma escolha inusitada para dar vida ao Ancião, já que nos quadrinhos o personagem é uma figura masculina, mas foi outra escolha acertada para a produção que traz um certo suspense.

O interesse amoroso de Stephen foi entregue a sempre excelente Rachel McAdams ('Meninas Malvadas') que entrega a médica Christine Palmer - em poucas cenas - brilhante e com muita química com Cumberbatch.

Publicidade

Embora o romance dos dois não tenha sido tão aprofundado, é nítido o carinho que ambos sentem um pelo outro. E ela também protagoniza a maioria das cenas que trazem alívio cômico para a trama.

O vilão foi vivido pelo ótimo Mads Mikkelsen ('Rogue One - Uma História Star Wars'), em contrapartida o ator Chiwetel Ejiofor ('Perdido em Marte') não brilha como Barão Mordo.

'Doutor Estranho' é uma jornada sensacional para um mundo totalmente novo, que ganha o público graças ao seu roteiro bem desenvolvido, efeitos alucinantes e elenco estelar. Sendo considerado a melhor introdução de um herói desde 'Homem de Ferro'.

Para a alegria dos fãs, ainda existem duas cenas pós-créditos ótimas. #Cinema