Após investigar o futuro de Gendry, na sétima temporada de 'Game of Thrones', o site Winter is Coming passou a especular o destino de #Arya Stark. Seria ela capaz de abandonar sua vingança?

Aviso: O texto a seguir contém diversos spoilers.

Ao voltar para Westeros, Arya assassinou Walder Frey, mas não antes de matar dois de seus filhos e cozinhar uma torta feita dos cadáveres, literalmente.

Matar um homem e assá-lo em uma torta é muito nojento, e é preocupante que Arya tenha estômago para fazê-lo. No entanto, vale citar a história do 'Cozinheiro Ratazana', contada por Bran, em determinado momento da história. O Ratazana era um membro da Patrulha da Noite, que matou o filho de um rei que estava de passagem, e serviu o príncipe a seu pai em uma torta.

Publicidade
Publicidade

O motivo teria sido uma injustiça cometida a ele pelo rei. Como ambos foram convidados sob o seu teto, ele agiu em desafio da antiga lei de direito convidado. Esta quebra de hospitalidade provocou a ira dos deuses mais do que o próprio assassinato. Eles amaldiçoaram o cozinheiro, transformando-o em um rato gigante que estava fadado a comer seus próprios filhos. Em Westeros, um convidado violar tais direitos, como Walder havia feito no Casamento Vermelho, é imperdoável.

Como Bran, Arya teria ouvido a história do cozinheiro ratazana, quando eram crianças. A última refeição de Walder Frey foi, sem dúvida, inspirada por ela. Sua morte, portanto, parece ser um ato de justiça. Arya não só o puniu por ter matado sua mãe e irmão, mas por violar um rito considerado sagrado por sua família, e os deuses de sua família.

Publicidade

Walder Frey foi, originalmente, definido por Arya como assassino responsável por orquestrar o Casamento Vermelho. Ele levou dois parentes dela, e ela levou dois dele, antes de rapidamente terminar com sua vida. Matando-o, Arya poderia simplesmente encarar sua vingança como concluída, afinal, após o assassinato de seu pai, tudo em sua vida começou a desandar por conta do Casamento Vermelho.

Arya carrega a cruz do luto desde a infância, mas raramente se permite chorar. Compare seu comportamento com o de Sansa, que chorou e lamentou, e chegou a ser confundida com uma pessoa fraca, mas ela demonstra uma enorme força mental, permanecendo intacta após incontáveis horrores e sofrimentos. A tática de Arya é canalizar a dor em violência. Isso a deixou emocionalmente atrofiada e capaz de assassinar de maneira brutal, digna de revirar estômagos, e ainda assim a jovem permanece em alarmante serenidade. Após riscar direta ou indiretamente vários nomes de sua lista com o passar dos anos, e estar retornando para sua família - com a percepção de que a vingança não desfez sua dor, não haveria nada para ela fazer além lidar com os fatos.

Publicidade

Em termos de narrativa, seria um final fraco para uma personagem tão forte.

A resposta para Arya possivelmente encontra-se em Winterfell. A perda de sua família foi o que a levou para a escuridão, então encontrá-los novamente - os que restaram - vai empurrá-la de volta para a luz. Mas de que maneira Arya se convenceria de parar de lutar pela morte, mas sim pela vida? O Inverno pode ter proporcionado o ressurgimento da Casa Stark, mas também traz consigo os White Walkers. Arya deixou Braavos com habilidades avançadas em esgrima e combate corpo-a-corpo, bem como a capacidade única de lutar as cegas. Essas habilidades podem ser mais condizente com um assassino do que um soldado, mas certamente pode ser utilizado.

Apesar de sua escuridão, Arya continua a ser um personagem que luta a favor dos inocente. A oportunidade de participar das guerras a seguir, para proteger e se tornar uma heroína, pode ser tudo que ela precisa e que vá apreciar. A Casa Stark defende a justiça acima de tudo, e sua identidade é a de uma Stark de Winterfell, em primeiro lugar. Ela mesma disse isso. #Seriados #Game of Thrones