O ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony #garotinho, foi entrevistado pelo jornalista Roberto Cabrini, no programa “Conexão Repórter”, exibido pelo SBT na madrugada deste domingo para segunda-feira.

Garotinho foi preso no dia 16 de novembro, acusado de comandar um esquema de compra de votos na eleição para a prefeitura da cidade de Campos de Goytacazes, interior do Rio de Janeiro.

Além do ex-governador do Rio de Janeiro, Cabrini conversou com Rosinha Garotinho, esposa de Anthony e atual prefeita de Campos. Ela chorou em alguns momentos.

A prisão

“Minha prisão foi uma retaliação, foi uma perseguição e uma injustiça”. Esta foi a primeira frase de #Anthony Garotinho na entrevista concedida a Roberto Cabrini.

Publicidade
Publicidade

Sobre o motivo de sua prisão, Garotinho comentou que é impossível a compra de votos. “O benefício é depositado direto na conta da pessoa. Ela que faz a compra no supermercado de sua preferência. A pessoa recebe o dinheiro e saca, como você vai saber se a pessoa votou ou não¿”

Ida para Bangu

Os vídeos de Anthony Garotinho se revoltando ao ser colocado em uma ambulância, que o levaria para o presídio de Bangu, viralizaram nas redes sociais.

O surto do ex-governador do Rio tinha motivo: ele temia ser morto em Bangu. “Eu temia por duas coisas. A primeira é que lá em Bangu estaria sendo uma forma de me apagar. Eu poderia morrer. Eu temi por isso. E segundo que lá pudesse ocorrer algum tipo de espaço para eu ver pessoas que eu prendi quando fui secretário de segurança”.

Sergio Cabral

Em alguns momentos da entrevista, Garotinho citou outro ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Publicidade

“Eu não vou para Bangu. Vocês têm que levar para Bangu o Sérgio Cabral, que é bandido”.

Temor pela vida

“Eu já te disse que eu temo pela minha vida e eu tenho que zelar por ela. Se eu falar o que você quer saber, o que eu tenho vontade de falar e que o público quer saber, eu posso amanha facilitar a fuga dessas pessoas”, desabafou Garotinho.

O ex-governador afirmou que sabe de muita coisa, mas não pode falar ainda. Segundo ele, há uma pessoa que está com fuga planejada para fora do país. “Se eu falar o nome, ela sai do país”, revelou.