Um #Acidente grave matou um imigrante português, de 32 anos, em Luxemburgo e feriu outro imigrante. Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, ambos estavam trabalhando na construção de um edifico quando uma placa de betão desabou, atravessando vários andares até atingir de forma trágica os trabalhadores. O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, já fez questão de reagir à enorme tragédia que está aterrorizando a comunidade imigrante portuguesa, mas também todas aquelas que têm muitas pessoas trabalhando na área da construção no Luxemburgo, tal como acontece com muitos brasileiros.

O ano de 2016 tem sido muito negro para os imigrantes portugueses.

Publicidade
Publicidade

Depois de uma série de tragédias macabras nas estradas europeias, onde dezenas morreram em poucos meses, agora foi a vez de um acidente de trabalho arrepiante retirar a vida a um jovem português que estava, tal como aconteceu com muitos outros, trabalhando na construção de um edifício em um dos países mais ricos do mundo.

Como garante o jornal “Correio da Manhã”, esse horrível acidente ocorreu na passada quinta-feira, dia 9 de novembro, mas só recentemente o Presidente português decidiu comentar, na internet, a tragédia, garantindo que o Estado português estava fazendo de tudo para acompanhar e auxiliar o português que conseguiu sobreviver à queda da placa de betão em cima de si. Quanto à vítima mortal, que acabou morrendo esmagado, Marcelo Rebelo de Sousa deixou uma mensagem solidária à família do imigrante, dando força para essa altura de angústia e de dor.

Publicidade

Na verdade, a questão da segurança dos imigrantes, incluindo os brasileiros, em seus locais de trabalho, principalmente em áreas como são as obras, têm sido muito discutida nos últimos anos. Apesar de um grande aumento de vigilância e controle por parte das autoridades, o fato é que os acidentes de trabalho matando trabalhadores de outros países continuam se somando, algo que, nas redes sociais, faz muita gente questionar se os patrões, como forma de pressionar seus trabalhadores e pouparem o máximo de dinheiro possível, não estão obrigando os imigrantes correndo riscos desnecessários. #Europa #Emigração