Val Marchiori pode perder parte de sua fortuna. Ela está sendo processada pelo funkeiro Mr. Catra, conhecido por ter muitos relacionamentos e também filhos. Ele tem uma prole bastante grande e não tem a menor vergonha disso. A mulher que ficou conhecida por ter feito parte de um reality show bastante bizarro, até tentou uma audiência de conciliação com o MC, que recusou se encontrar com Val. Esse encontro, caso fosse aceito, aconteceria na próxima segunda-feira, 28, em um fórum do Rio de Janeiro. Catra, no entanto, garantiu que não irá dar para trás na tarefa de tentar lutar pelos seus direitos. Ele está bem irritado com o que a socialite falou dele.

Publicidade
Publicidade

A ação que Catra move contra a loira começou ainda em novembro do ano passado, quando ele não gostou de alguns comentários de Marchiori realizados em um programa de televisão. Naquele dia, ela fez um comentário envolvendo justamente as muitas mulheres do funkeiro, dizendo que ele era "aproveitador de meninas". Segundo Val, Catra ficaria com as moças porque elas são pobres. "Pega meninas pobrinhas, sem condição nenhuma, e faz filhos nelas”, disse a artista que depois percebeu que tinha falado algo grave. Naquela mesma época, na transmissão do Carnaval da RedeTV!, ela disse que a cantora Ludmilla estava parecendo usar um bombril durante o desfile de uma escola de samba.

De acordo com informações do jornal carioca Extra, Catra não pretende fazer qualquer tipo de acordo.

Publicidade

Agora, o processo esperará apenas o tempo de Val de preparar para se defender. Em seguida, o caso será julgado pelo juiz da segunda Vara Cível, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do estado do Rio de Janeiro.

Grana

Catra quer que Val pague a ele um valor que daria para comprar uma casa popular é de R$ 300 mil. Essa quantia seria apenas por danos morais. A quantia é a mesma pedida por Ludmilla. Caso ela perca, esses valores devem ser atualizados, seguindo a inflação brasileira. Apesar de se dizer rica, Marchiori pode até ficar pobre se as coisas continuarem assim. #Justiça #Crime