Depois de 16 anos na Globo e 28 de talk show, chega ao fim nesta sexta-feira, dia 16 de dezembro, o Programa do Jô. Referência no Brasil quando o assunto é entrevista, a transição de ator para entrevistador não foi feita na Globo, mas no SBT. Até 1988, Jô Soares comandava na Globo o Viva o Gordo, programa de esquetes humorísticos em que se desdobrava em personagens diversos, que dominava a programação noturna de segunda-feira.

Apaixonado pelos talk shows norte-americanos, principalmente o Tonight Show, Jô teve em Johnny Carson sua maior inspiração. Carson, que instituiu o programa de entrevistas nos EUA dos anos 1950 aos 1990, também inspirou gente como David Letterman e Jay Leno.

Publicidade
Publicidade

Jô teve a ideia de trazer este formato para o Brasil, mas seu projeto não foi aprovado pela Globo. Com o final de seu contrato, ele transferiu-se para o SBT, onde transformou o Viva o gordo em Veja o gordo, com a promessa de que seu tão sonhado programa tornaria-se realidade.

Sucesso e referência

Mal sabia a empresa dos Marinhos o que estava perdendo: o Jô Soares Onze e Meia tornou-se um sucesso absoluto, batendo a Globo em audiência em muitas ocasiões, e tornou-se o programa oficial do comecinho da madrugada no final dos anos 80 em diante.

Mesmo com um elenco de entrevistados restrito aos que não eram contratados pela Globo (que cedia parte de suas estrelas em ocasiões especiais), o Gordo permaneceu na TV de Sílvio Santos até o ano 2000, quando retornou à Globo e reestreou seu talk show sob o nome de Programa do Jô.

Mesmo após 28 anos, Jô não conseguiu fazer sua mais desejada entrevista: conversar com Sílvio Santos em seu sofá.

Publicidade

Com a recusa do homem do Baú, o programa termina com a presença do cartunista Ziraldo, que é o recordista de aparições em seu programa: ao todo foram 23 entrevistas.

Com contrato com a Globo por mais um ano, seu futuro ainda não foi definido. Jô já recusou uma proposta para tornar-se comentarista do Jornal da Globo e especula-se que terá um programa em algum outro canal da rede, como o GNT.

De certo, fica o legado de seu pioneirismo. Sem Jô Soares, não teríamos hoje a presença de Danilo Gentili, Fábio Porchat e Marcelo Adnet entrevistando as pessoas com graça no fim de noite. #Jôsoares #ProgramadoJo #Rede Globo