A Netflix surpreendeu a todos ao anunciar o cancelamento de "Marco Polo", uma superprodução que conta a história de um dos mais famosos exploradores. Depois de duas temporadas, o serviço de streaming anuncia que o terceiro ano foi suspenso. Cindy Hollandi, vice-presidente de conteúdo da empresa, responsável pelo material original, foi quem deu a triste e #Polêmica notícia.

Em 2014 quando a série estreou, o público nem deu tanta importância e nem a crítica se preocupou muito. O prejuízo de "Marco Polo" já ultrapassa os US$ 200 milhões. A #Netflix resolveu cortar a série agora, antes que o prejuízo cresça ainda mais. Além de "Marco Polo", outras séries que foram deixadas de lado pela Netflix são: "Bloodline" e "Hemlock Grove".

Publicidade
Publicidade

Cindy fez questão de agradecer a todos os parceiros que ajudaram na produção da série, além dos atores que segundo ele tiveram performances impecáveis. O vice-presidente de conteúdo original também citou os produtores comprometidos com o trabalho, entre eles, john Fusco, Patrick Macmanus, Dan Minahan e os amigos na TWC que não mediram esforços, do início ao fim da série, para que fosse garantida a melhor qualidade.

Vale lembrar que "Bloodline" e "Hemlock Grove" foram deixadas de lado pela Netflix, mas ao menos a empresa encomendou temporadas finais, diferente de "Marco Polo" que nem isso vai ter. A Netflix é uma das empresas que mais tem crescido, pois já fatura muito mais que o SBT e já conta com mais assinantes que a Sky.

Aqui no Brasil a empresa já opera há 5 anos, mas seus números já são maiores que algumas das TV's brasileiras.

Publicidade

Hoje são mais de 6 milhões de assinantes e o faturamento anual fica em cerca de R$ 1,290 bilhão, o que dá 30% a mais que o faturamento do SBT.

Pensava-se que a Netflix estava em sua melhor fase, mas o cancelamento de "Marco Polo" mostra que a empresa, como tantas outras, ainda tem seus erros e que lhe custa alguns milhões de reais. "Marco Polo" foi um dos mais ambiciosos investimentos, mas no final o que ficou claro é que será preciso estudar muito mais o mercado antes de se produzir algum conteúdo exclusivo.

#Internet