Um pastor está provocando uma enorme polêmica em uma emissora de televisão de Gana, na África. Na região, Daniel Obinim transmite os seus cultos, que de tão famosos, ficaram conhecidos em todo o planeta. O motivo disso é a forma como o religioso conduz suas orações, muitas vezes fazendo promessas ditas absurdas. Daniel toca em qualquer parte do corpo de seus fiéis com um objetivo, espantar os demônios da feiura e depressão. No caso dos homens, ele apalpa os pênis sem nenhum problema. Há um culto específico para isso e os rapazes parecem animados e felizes, ao perceberem que estão sendo curados de seis males.

O religioso africano diz que, no caso dos rapazes, sua mão consegue fazer crescer pênis que estavam "adormecidos".

Publicidade
Publicidade

Além disso, ele curaria a impotência sexual. Situação parecida é exibida na TV local com mulheres. Para aumentar os seios de mulheres que se acham feias, ele coloca a mão por dentro das blusas delas e passa alguns segundos ali, aparentemente orando. As moças também rezam para que não seja necessário colocar silicone. O bumbum é outra parte que mostra fiéis não satisfeitas. Algumas também pedem para que Daniel coloque sua mão milagrosa no local. O pastor, que se diz um homem bondoso, não nega nenhum pedido.

Dependendo do mal do fiel, o tratamento do pastor pode ser mais incisivo. Em um dos cultos, um homem aparece deitado. Daniel deixa sobre ele de costas e com seu bumbum fica sentando em cima do rapaz, especialmente na região íntima dele. No Youtube oficial da igreja africana, a descrição diz que o fiel continuava com impotência sexual, mesmo depois de receber a mão do pastor no local íntimo.

Publicidade

Em outra celebração, um homem deficiente chega sem andar. Daniel faz uma performance parecida. O milagre acontece e o rapaz consegue andar. É bom que no Brasil muitas igrejas também alugam espaço na televisão. A Igreja Mundial do Reino de Deus, por exemplo, já exibiu até o que seria a cura de um cego. Outras religiões mostraram fiéis passando a mão nos pés de uma pastora. Em troca, tinham que dar uma oferta generosa, geralmente de R$ 100. #Religião