Certamente não é a melhor lembrança da véspera de Natal para nenhuma pessoa o que aconteceu com Cláudia Tavares, que trabalhava como repórter da TV #Cultura já por 20 anos e foi demitida em 24 de dezembro. Tanto é assim, que a jornalista manifestou com veemência todo o seu descontentamento na forma de desabafo na sua rede social oficial do Facebook, onde acabou revelando outras minúcias de sua triste saída da emissora de São Paulo. Vale frisar que, há poucos dias, o mesmo fato aconteceu, também de forma tumultuada, com outra jornalista de peso na #Televisão brasileira por parte do mesmo canal, a saber, Leda Nagle, que atribuiu a atitude da direção da TV como “falta de caráter”.

Publicidade
Publicidade

Cláudia lamentou sua saída da televisão com a frase sentimental que dizia o seguinte: “coragem vem de core, coração. Meu grande guia. Dia 21 de dezembro de 2016, dia da festa de confraternização dos funcionários da TV Cultura de São Paulo, fica marcado como o dia em que a emissora decidiu não contar mais com meu trabalho como repórter. Foi no meio do plantão de Natal".

A moça fez uma rápida retrospectiva dos dias que antecederam a sua demissão, falando que durante a noite da última segunda-feira tinha realizado uma matéria destinada ao noticiário da casa, que é o Jornal da Cultura e, no sábado, a mesma foi aos estúdios para dar continuidade ao trabalho, inclusive com os maquiadores e cabeleireiros da TV Cultura cuidando do visual dela, mas logo em seguida foi chamada por uma jovem do departamento de Recursos Humanos, que não trabalha há muito tempo na empresa.

Publicidade

Enfim, Tavares pode perceber claramente que estava prestes a ser demitida e, para piorar, não havia sequer um único chefe na redação, o que dá a entender que a data de dispensa da jornalista parece ter sido escolhida a dedo, justamente para evitar qualquer tipo de explicação ou confronto de se encarar olhos nos olhos a jornalista.

A ex-profissional da TV Cultura reiterou que sua demissão assume caráter ilegal, na medida em que o protocolo da resposta padrão, “ordens da direção”, não levou em conta que Cláudia possui garantido pela lei mais um ano de estabilidade empregatícia, já que a mesma fazia parte do quadro da CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, cujo mandato terminou na semana passada.

Obviamente que, diante da situação de conflito, o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo fez questão de anunciar que irá adotar medidas, visando à anulação da demissão de Cláudia Tavares. Por sua vez, os assessores do canal de televisão não foram localizados para falar sobre o assunto, basicamente devido ao recesso da data de final de ano. #Emprego