Toda virada de ano é a mesma coisa. Os principais veículos de comunicação do país entrevistam espiritualistas, que se dizem capazes de prever o futuro. Muitas vezes, eles de fato acabam acertando alguma coisa. No entanto, em outras oportunidades, os mesmos paranormais acabam errando. O jornal 'O Dia', do Rio de Janeiro, na tentativa de ter uma resposta mais efetiva sobre o que será do nosso amanhã, decidiu entrevistar três videntes de uma só vez: João Bidu, Carlinhos e Márcia Fernandes.

Todos são conhecidos por terem um trabalho respeitado e por sempre botarem a cara na mídia, mesmo até como erram. As previsões para 2017, infelizmente, são pessimistas.

Publicidade
Publicidade

O ano deve ser ruim na economia e na política. Até na vida dos famosos as coisas podem não degringolar. A seguir, separamos algumas das previsões bombásticas mais interessantes relatadas na entrevista do jornal carioca.

Segundo Márcia, o ano vai começar se arrastando. As coisas vão demorar para acontecer. É um tempo de troca, de mandar tudo que é velho embora, de mudar de namorado, por exemplo. Apesar do sofrimento, muitas curas devem ser iniciadas nesse período, como o desenvolvimento de vacinas. Carlinhos diz que o desemprego deve aumentar ainda mais. As pressões devem fazer Michel Temer renunciar até o mês de abril. A economia chegaria aos patamares mais baixos dos últimos tempos e apenas no segundo semestre as coisas iriam melhorar. Já Bidu complementa. Na visão dele, apesar de toda a crise, esse é um tempo para empreender.

Publicidade

Quem conseguir ter sucesso nesse momento turbulento, terá sua vida propícia à coisas boas na área do financeiro.

Sobre os políticos, Bidu e Carlinhos, que já havia previsto a tragédia da Chapecoense, indicam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), deve ser preso. Carlinhos, no entanto, diz que a prisão do político será com tornozeleira eletrônica. O #Vidente ainda diz que outro avião com um time carioca cairá e que uma tragédia na serra do Rio de Janeiro deve fazer centenas de mortos.