Nesta segunda-feira, 2, o âncora da TV Record, Paulo Henrique Amorim, publicou um polêmico vídeo nas redes sociais, no qual fala sobre a chacina de Campinas, em São Paulo, registrada no último dia do ano passado. Um homem, identificado como Sidnei, de quarenta e seis anos, matou a ex-esposa, o filho de oito anos, outras dez pessoas e depois cometeu o suicídio. A chacina, é claro, chamou a atenção da mídia, especialmente porque o homem, que usava uma arma automática e bombas amarradas ao corpo, deixou uma carta e outros arquivos que provariam seu ódio pelas mulheres e pelo sistema corrupto da política brasileira. No texto, Sidnei se refere às mulheres como 'vadias'.

O assassino ainda cita, por exemplo, a ex-presidente Dilma Rousseff em seu discurso.

Publicidade
Publicidade

Segundo Paulo Henrique Amorim, a lógica do assassino teria sido estimulada pela Rede Globo de Televisão e pela principal operação policial e judicial em vigor no Brasil, a Lava-Jato. Ela é conduzida, em segunda instância, pelo juiz federal Sérgio Moro. Segundo o apresentador do 'Domingo Espetacular', Moro e a emissora carioca estimularia o ódio na sociedade e criariam o que chamou de "terrorista de fim de ano". É bom lembrar que a carreira do jornalista começou justamente na Globo, onde ele foi correspondente internacional.

Paulo foi muito criticado pelo fato de usar uma tragédia para destilar seu ódio contra a maior empresa de comunicação do país. Ele, que é um dos nomes mais processados do jornalismo brasileiro, virou alvo até do site de humor 'Sensacionalista', que fez uma manchete dizendo brincando que Amorim disse que o 11 de setembro, a fome e a segunda guerra mundial também eram culpa da Globo.

Publicidade

Veja abaixo o vídeo que mostra Paulo Henrique Amorim condenando a Globo e à Lava-Jato pela chacina que aconteceu no município de Campinas, em São Paulo. Na sua opinião, a Globo tem alguma culpa na morte de doze pessoas, ou o âncora da Record exagerou e muito ao dar os seus argumentos? Deixe o seu comentário e participe do diálogo sobre essa polêmica.

#Crime