A fase de acertos e consagração da #Record TV na teledramaturgia teve início em 2004. Antes, as tentativas em produzir telenovelas só trouxeram prejuízos e decepções para a emissora do bispo Edir Macedo. Mas foi a partir de “A Escrava Isaura” que tudo mudou, até chegar aos dias de hoje, com mega produções como “Os Dez Mandamentos” e “A Terra Prometida”, o que a levou a se firmar como a única a produzir #Novelas bíblicas no país. A Record encontrou seu espaço ao descobrir o nicho que atrai não só os religiosos, entre eles membros da Igreja Universal do Reino de Deus, mas também o público em geral que não quer saber das novelas infantis do SBT, muito menos das produções convencionais da Globo, que ainda é a maior na teledramaturgia e deverá dominar o mercado ainda por muitos anos.

Publicidade
Publicidade

O que é certo é que a emissora não vai abrir mão dos temas bíblicos no horário das 20h30, enquanto que às 19h30 manterá as produções de época como sua última (e certeira) aposta “A Escrava Mãe”, e em breve “Belaventura”, de Carlos Lombardi.

"A Escrava Isaura" foi escrita em 1875

No meio dessas atrações, a volta do remake de “A Escrava Isaura” nesta segunda, dia 9. A novela foi produzida antes pela Globo, com Lucélia Santos no papel principal, e fez grande sucesso mundo afora. Na nova versão, a atriz #Bianca Rinaldi deu vida à escrava mais amada da televisão brasileira. Ela que foi estrela de algumas produções do SBT, encantou o país ao interpretar Isaura, que amargou anos de sofrimento nas mãos de seu “senhorzinho” Leôncio (Leopoldo Pacheco) na trama inspirada no romance homônimo escrito por Bernardo Guimarães em 1875 e adaptado por Tiago Santiago, com a direção de Herval Rossano.

Publicidade

Bianca Rinaldi está longe da televisão e do país. A atriz vive hoje na Flórida, nos Estados Unidos, ao lado de sua família. Lá, ela aproveita para estudar e realizar alguns passeios. Hoje, com 42 anos, talvez não seja lembrada pela atual geração como uma das paquitas da Xuxa, na Globo, mas foi assim que começou sua carreira na TV. Nas novelas, sua estreia foi em Cara & Coroa (1995), mas antes de “A Escrava Isaura”, seu grande momento foi como a protagonista de “Pícara Sonhadora” (2001) e “Pequena Travessa” (2002), as duas produzidas pelo SBT. Sua estadia na Record durou dez anos, até voltar à Globo, onde atuou na novela “Em Família” (2014). Sua última aparição na TV foi no quadro Superchef Celebridades, do “Mais Você”, em 2015. Com o retorno de “A Escrava Isaura”, a atriz poderá ser vista todas as noites em uma das maiores telenovelas da televisão brasileira.