Não é de hoje que apresentadores de #Televisão adoram julgar e dizer o que querem em programas supostamente jornalísticos. Porém, em tempos de internet e vigília permanente, é preciso tomar cuidado com o que é dito. E, desta vez, quem foi vítima de sua própria língua foi Marcos de Moraes, conhecido como Marcão Chumbo Grosso, apresentador do Balanço Geral Brasília, da #Rede Record. Natural de Tocantins, Chumbo Grosso construiu sua carreira em noticiários policiais locais.

"Pobre e macaca"

No dia 9 de janeiro, no quadro A Hora da Venenosa, Marcão chamou a cantora Ludmilla de "pobre e macaca". A reportagem mostrava como a cantora supostamente combinava com garçons para não ter que tirar fotos com seus fãs.

Publicidade
Publicidade

Mostrando indignação, não titubeou e soltou: "É uma coisa que não dá para entender. Era pobre e macaca. Mas pobre, pobre mesmo". Percebendo que havia falado uma grande besteira, tentou consertar dizendo: "Eu também era pobre e macaco, falava isso para os meus amigos. Hoje eu digo que sou rico de saúde, graças a Deus".

Apesar de ter acontecido no dia 9, a reportagem viralizou apenas nesta semana, e a cantora, que não descarta processar o apresentador, manifestou-se nas redes sociais: "Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime, e alguns ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras a meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu ódio".

Em um primeiro momento a emissora do Bispo Edir Macedo apenas suspendeu o apresentador, mas tendo em vista a repercussão negativa do fato, resolveu rescindir o seu contrato e enviou um comunicado à imprensa: "A Record TV vem a público lamentar os transtornos causados à cantora Ludmilla, sua família e seus fãs motivados por um comentário feito pelo apresentador Marcão no Balanço Geral DF. A emissora repudia qualquer ato dessa natureza e afirma que este tipo de conduta não está na linha editorial de nosso jornalismo. Por este motivo, a Record TV Brasília optou por rescindir o contrato do apresentador Marcão". #Racismo