Segundo informações do jornalista Ricardo Feltrin, em sua coluna do UOL, a #Simba - empresa formada com a participação de SBT, Record e RedeTV! - iniciou uma negociação com a #Netflix. O objetivo é que as três emissoras forneçam seus conteúdos próprios e contraponham as operadoras de TV por assinatura.

Atualmente, os três canais não são remunerados pelo sinal HD, que são inclusos na TV paga. Assim, o grupo pretende oferecer novelas, produtos jornalísticos, materiais especiais e outros tipos de programas para o serviço de streaming, caso o acordo aconteça. Filmes estrangeiros e reality shows, por pertencerem a terceiros, não estariam disponíveis.

Publicidade
Publicidade

O grupo também estaria disposto a negociar com outros serviços, como a Amazon, que chegou recentemente ao Brasil, a concorrente mais direta da Netflix no país.

Até o momento, o serviço de streaming não emitiu comunicado a respeito dessas negociações. Atualmente, a Netflix já exibe alguns programas das emissoras do grupo.

TV por assinatura no Brasil

Desde 2015, estudos mostram que as operadores (como Sky, Claro, Net e Vivo) perderam quase um milhão de assinantes no país, e o serviços como o da Netflix vêm sendo apontados como um dos motivos pela retração do mercado.

Algumas emissoras estão apostando em serviços próprios como a GloboPlay, que envolve SporTV, GNT, Multishow, Bis, Telecine e todos os outros canais da GloboSat. Ano passado, a principal emissora do país disponibilizou, de uma vez, 11 dos 12 episódios de 'Supermax', série de terror original da Globo.

Publicidade

'Dois Irmãos', minissérie que estreou no começo de 2017, também ganhou tratamento semelhante pelos executivos da emissora que disponibilizaram alguns dos capítulos iniciais na plataforma.

A tática escolhida pela Simba, em se aliar aos serviços de streaming, é a mais combatida pelas operadoras, que acusam este tipo de serviço de usar e ocupar a banda larga e não pagar por isso. Há meses, segundo Feltrin, as TVs por assinatura vêm manobrando, junto ao governo, um jeito para cobrar pelo uso excessivo de rede. #Negócios