Que Euterpe, a musa da Música na mitologia grega, os abençoe! A dupla sertaneja Henrique e Juliano deu um show... de solidariedade. Ao saber que uma fã dos dois estava há quatro anos internada na UCI (Unidade de Cuidados Intermediários) do Hospital Geral de Palmas, na capital tocantinense, os dois irmãos, ambos passando férias no seu estado natal, aproveitaram a oportunidade para visitá-la e cantar para ela e para os demais pacientes lá internados.

Ficaram sabendo do caso depois que a fã, que se chama Edilza Santos de Araújo, tem 34 anos de idade e sofre de esclerose lateral amiotrófica, uma doença neuro-degenerativa incurável (atualmente, o portador mais célebre da doença talvez seja o físico britânico Stephen Hawking), participou de uma transmissão, ao vivo, numa rede social.

Publicidade
Publicidade

Marlla Santos, coordenadora da UCI, explicou ao site G1 que ela sabia que Edilza era fã da dupla, mas não sabia como alcançar os artistas, então tomou uma decisão: pediu ao fisioterapeuta que a ajudasse a fazer uma surpresa para a paciente. Ele cantou algumas canções da dupla na transmissão, e Marlla pediu às pessoas que compartilhassem o post até que ele chegasse a #Henrique e Juliano. Não é que essa corrente do bem deu certo e a mensagem chegou aos destinatários?

A dupla passou cerca de uma hora no hospital. Henrique, depois de cantar "Como é que a gente fica", agradeceu pela oportunidade de conhecer a fã, elogiou o trabalho dos funcionários do hospital, que "dão amor, carinho, atenção, respeito e dignidade todos os dias" aos pacientes com sua atuação e comentou que, por causa da correria, muitas vezes, as pessoas fazem pouco pelos outros seres humanos.

Publicidade

O cantor afirmou, ainda, que sucesso é cuidar de si e também ajudar o próximo e disse que o ano de 2017, portanto, começa com uma promessa dos dois #Famosos de ajudar mais seus semelhantes.

Os funcionários do Hospital Geral de Palmas são veteranos de iniciativas em prol dos pacientes com esclerose lateral amiotrófica, além do seu trabalho normal. Em março do ano passado, dez profissionais levaram um idoso restrito pela doença a uma cama de hospital ao seu primeiro passeio em muito tempo. Para isso, fizeram uso de Unidade de Terapia Intensiva móvel. Ele pôde ver o pôr-do-sol, visitar um parque e ir à praia.

Vídeo: