A apresentadora Maria da Graça Xuxa Meneghel, conhecida como a eterna "rainha dos baixinhos", exibiu um vídeo que diz ser prova das agressões de um padre famoso no Distrito Federal. O pároco, segundo informações do portal de notícias UOL, seria José Roberto Angelotto, responsável pela Paróquia da Ressurreição, no bairro de Ceilândia. Nas imagens, crianças fazem uma fila e o religioso dá uma espécie de tapa na cabeça de todas elas. Para #Xuxa, que é mãe de uma filha de dezoito anos, o religioso está cometendo um abuso contra os menores. A apresentadora da Record TV, que está fora do ar por férias e baixa audiência, chega a dizer que a ação é crime e desabafa: 'Autoridades, por favor, prendam esse homem'.

O vídeo divulgado por Xuxa já tem mais de um milhão de exibições, mostrando o potencial que a famosa ainda tem nas redes sociais, mas o caso não é novo.

Publicidade
Publicidade

As imagens viralizaram ainda no ano passado. Fiéis que frequentam a igreja, no entanto, dizem que o vídeo é apenas maldade de quem assiste, pois aquele é um momento esperado pelas crianças, uma espécie de honraria para os pequenos, que esperam subir ao altar para receber o cumprimento diferente do padre. Xuxa, no entanto, parece não saber disso. Ela foi criticada por muitas pessoas das redes sociais.

"Nossa, você nem conhece o cara e já pede para prender. Não sabe que isso pode prejudicar a vida de um inocente", disse um seguidor à apresentadora da TV Record. Xuxa ainda não apagou o post.

Veja abaixo o vídeo publicado pela apresentadora da Record TV, no qual o padre aparece dando tapas nas cabeças das crianças e ela pede sua prisão. Na sua opinião, a comunicadora está certa ao pedir a prisão do homem pelas cenas exibidas, ou ela deu uma boa exagerada? É bom lembrar que a eterna "rainha dos baixinhos" é uma das responsável pela expansão da chamada 'Lei da palmada' em todo o Brasil.

Publicidade

Não esqueça de deixar o seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós e ajuda a estabelecer o diálogo em torno dos temas retratados.

#Crime