Segundo o #Resumo dos #capítulos da novela “#A Terra Prometida”, Abul morre envenenado depois de tentar matar Adonizedeque, mas consegue libertar Aruna e Ula.

Entre os dias 27 de fevereiro e 03 de março, Abul conta para Úrsula que mentiu e, na verdade, seu pai matou sua mãe e avó, e mantém os cadáveres delas na prisão. Irritada, a jovem se une a Abul e os dois planejam acabar com Adonizedeque. Então, Úrsula conversa com o rei fingindo não saber da morte das prisioneiras.

Pirã procura o soberano de Jerusalém e avisa que estão tramando sua morte, e ele fica incrédulo. Abul joga o veneno na bebida de Adonizedeque, porém, o todo poderoso de Jerusalém troca a taça envenenada e manda um servo servir a bebida para Abul.

Publicidade
Publicidade

Depois, ele se aproxima e ordena que os soldados prendam Úrsula.

Agonizando, Abul caminha pelo corredor do palácio. Antes de morrer, Abul consegue libertar Ula e Aruna. Adonizedeque fica furioso ao saber que Abul soltou as prisioneiras e ordena que seus homens procurem pela esposa de Josué.

Resumo da novela “A Terra Prometida”

Então, conforme aponta o resumo novela “A Terra Prometida”, Aruna, mesmo enfraquecida, foge, enquanto os soldados de Adonizedeque a perseguem. Ela fica aliviada ao se deparar com Tobias, mas o irmão de Samara mais uma vez tenta matá-la com sua espada.

Ele é interrompido pelos soldados, que os encontram e os encaminham até o palácio. No local, Tobias diz que é capaz de trair seu povo para salvar a própria vida, deixando Aruna incrédula. Porém, o rei manda os dois para a masmorra.

Publicidade

Capítulos da novela “A Terra Prometida”

Outro destaque dos próximos capítulos da novela “A Terra Prometida" é Mara. A vilã tem seus crimes descobertos por Josué, que ordena a prisão da megera.

Porém, depois de Ioná negar ajudá-la a fugir, ela consegue esfaquear um guarda e some do acampamento, enquanto Josué ordena sua captura.

A questão é que a vilã não dá sorte, já que Mara é capturada por mercadores escravos, assim como Otniel. Logo em seguida, Mara passa a pagar por seus pecados levando chicotadas dos mercadores.