À violência no Brasil está atingindo níveis alarmantes. Recentemente, foi noticiado nos principais sites e revistas do país uma paralisação da Polícia Militar do Espírito Santo. Os manifestantes exigiam para os policiais melhores condições de trabalho e um salário digno. Essa semana também foi noticiado uma manifestação dos familiares dos policiais do Rio de Janeiro, todavia, ao contrário do que aconteceu no Espírito Santo, não houve alteração no trabalho de policiamento da cidade. A possível paralisação dos policiais do Rio de Janeiro estava causando grande preocupação nos moradores da cidade, uma vez que, a cidade já é famosa por seu elevado índice de violência.

Publicidade
Publicidade

Um exemplo da grande criminalidade que ocorre no Rio de Janeiro aconteceu na noite desse sábado (12). O músico Felipe Coutinho de Souza, de 32 anos, filho de Rixxa, cantor dos Timoneiros da Viola, foi morto após receber vários golpes no peito com uma chave de fenda. Amigos da vítima que presenciaram o assassinato disseram, em entrevista, que Felipe estava saindo da escola de samba da Mangueira quando se envolveu em uma briga de trânsito. Segundo testemunhas, a briga está relacionada com uma vaga para o carro. No calor da discussão, o motorista, que ainda não foi identificado, sacou de uma chave de fenda e atingiu o cantor no peito. A polícia disse que estão sendo realizadas investigações para apurar todos os detalhes do crime.

Rixxa ficou muito aborrecido ao saber sobre a morte do filho. Ele diz que recebeu a notícia do seu filho mais velho. Logo após ser comunicado, Rixxa foi até ao Hospital Souza Aguiar e, em seguida, para o IML.

Publicidade

Rixxa disse que seu filho vai virar estatística. “É a violência que nós vivemos. Meu filho vai virar estatística. Agora é esperar pela justiça divina”. O cantor ainda fala que seu filho era muito jovem para morrer. Segundo ele, Felipe tinha acabado de entrar para a Igreja Evangélica.

Nas redes sociais a #Morte do cantor repercutiu bastante. Um artista disse que, na atualidade, os cantores, especialmente do Rio de Janeiro, saem para fazer show e não sabem se vão voltar vivos.