#Claudia Leitte e a empresa que a representa "CIEL" podem (e devem) virar réus em processo de utilização irregular de dinheiro público.

Isso porque, no último ano, o MinC (Ministério da Cultura) reprovou a prestação de contas de Cláudia Leitte, que conseguiu captar 1,2 milhão de reais advindos da #Lei Rouanet. A turnê que deveria ter as contas todas comprovadas, apresentou irregularidades que motivaram a recusa do órgão. Agora o #TCU, Tribunal de Contas da União, afirmou que irá adotar todas as medidas legais para reaver o dinheiro, que já deveria ter sido devolvido.

Quando a "CIEL" foi notificada da não aprovação da prestação de contas, o MinC também determinou a devolução até 7 de janeiro do valor integral captado.

Publicidade
Publicidade

Entretanto nem a empresa nem Cláudia depositaram os recursos. A revelia na devolução pode inclusive ocasionar bloqueio de bens da artista, com eventual leilão e posterior abertura de processo criminal.

Cláudia Leitte não comprovou uso do recurso do FNC (Fundo Nacional da Cultura) para a finalidade de democratizar a cultura. Entre outras coisas, deveria comprovar 8,75% dos ingressos de todos seus shows foram distribuídos gratuitamente, nos shows em Picos no Piauí e Ponta Porã no Mato Grosso do Sul, há indícios de valores superfaturados e no caso de Cuiabá nem sequer foi comprovado o show - a informação foi enviada pelo MinC à Veja.

Em 7 de dezembro, o último recurso da cantora foi negado, e nessa condição não há o que discutir em âmbito administrativo. A única coisa a se fazer era pagar a quantia, que ainda foi permitida que fosse feita de maneira parcelada.

Publicidade

O ministério afirma ter tentado contato com a empresa e Cláudia, mas eles não foram encontrados. O próximo passo seria acionar o TCU (que já foi informado) e tomar as medidas judiciais cabíveis.

A assessoria de Claudia Leitte informou à revista Veja que não iria se pronunciar sobre o caso.

A turnê da cantora que teve suas contas rejeitadas passava por Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país e utilizou-se da Lei Rouanet, com finalidade de promover a cultura. A cantora teve cerca de 6 milhões liberados para captação por 12 shows em 2013. Entretanto foram liberados "apenas" os 1,27 milhões, quantia exata liberada para a artista.