O novo projeto "Live" de Simone e Simaria, as coleguinhas mais amadas do Brasil, está a todo vapor. Dessa vez, as irmãs que mesclam o forró com a moda sertaneja trouxeram sua turnê para a Cidade Maravilhosa. Na última quinta-feira, 16, a casa de shows Barra Music, localizada na Zona Oeste carioca lotou ao som dos hits "126 cabides", "Regime Fechado", "Meu violão e o nosso cachorro" e o mais recente sucesso "Loka" lançado em parceria com a cantora Anitta.

Bem, o lado do artista que se torna famoso e conquista os corações de uma determinado público todo mundo é capaz de deduzir: dinheiro entrando, vida melhorando, outros famosos tietando, mas e o outro lado, o do ? Como será o dia a dia de alguém que nutre uma certa paixão desenfreada por um artista? As músicas estão na ponta da língua dos cariocas, sobretudo do público feminino.

Publicidade
Publicidade

Horas antes do show da dupla, sucesso de bilheteria, algumas fãs expuseram e sentimento de ser "coleguinha". Ao término da apresentação, elas ainda tinham fôlego para continuar cantando.

Rotina de fã

Patrícia Maria, de 39 anos, promotora de vendas e moradora da Baixada Fluminense conta que "ser fã de Simone e Simaria é torcer por alguém que não temos intimidade, mas é como se fosse da família. É nunca se cansar de ouvir a mesma música" e além disso, confessa que muitos amigos debocham de seu vício pelas meninas, tanto nas redes sociais quanto nos shows. "Elas foram tema do meu aniversário, meu bolo foi decorado com a foto delas, ser fã é tê-las como papel de parede de celular e uma pasta reservada de fotos no computador. Uns mandam eu me enxergar, outras mandam eu me mancar, é assim por diante..", contou rindo e expondo que quase todo mundo pensa a mesma coisa, que o artista nem sabe que o fã existe, relatou a carioca que se orgulha de acompanhar a dupla pois "elas representam a mulher brasileira que consegue vencer! É como se fosse um espelho, mulheres que passaram por momentos difíceis e venceram, ou seja é um espelho pra nós mulheres seguirmos.

Publicidade

"Você pode e consegue!", afirmou a promotora de vendas.

De frente como o ídolo

Aguardando a aparição da dupla próximo ao camarim estava também a educadora física, de apenas 21 anos, moradora de Duque de Caxias, Keila Eduarda, que foi premiada com visita ao camarim pela casa de espetáculos e contou emocionada que "é difícil explicar o misto de sentimentos em tão pouco tempo. Mais de 4 horas de espera para menos de 5 minutos ao lado delas!". Ao sair de lá declarou que foi um momento indescritível estar frente a frente com as meninas, que conseguiram transmitir todo carinho e gratidão por ela estar ali. "Estão longe, mas ao mesmo tempo muito presentes em minha vida. Mesmo sem me conhecerem, me inspiram a fazer coisas que jamais pensei ser capaz e me dão forças através de suas histórias de vida e canções." Ainda em êxtase ressaltou que existem coisas inexplicáveis como esse amor verdadeiro que não espera nada em troca, "pois fã consegue ver o que nenhuma outra pessoa consegue: a alma!", concluiu a jovem que chegou equipada de boné bordado com nome da dupla e muita energia para ficar rouca de tanto cantar com Simone & Simaria.

Publicidade

Lá pelas 4 da manhã mais um show se encerrava, mas continuaria ecoando no coração de fãs como Júlia Vasconcelos, estudante de 20 anos, moradora do Itanhangá, que lamentou apenas o fato da dupla não ter cantado o hit "Eu te esperarei", sucesso de quatro anos atrás, desde quando ela acompanha a dupla mais de perto. "Essa é minha canção preferida, já conhecia o trabalho delas desde quando eram backs do Frank Aguiar, porque meu pai sempre gostou muito e inclusive temos vários dvds de shows dele em vaquejadas, em seguida no Forró Muído, que elas também fizeram parte, ou seja ouço desde pequena e não tem idade pra ser fã. Mesmo muitos amigos não curtindo esse gênero, eu curto e venho sozinha se for o caso. Fui ao show delas no VillaMix, na apresentação no Programa Encontro da Fátima Bernardes e hoje aqui no BM, show que vai ficar eternizado na memória. #AsColeguinhas #SimoneeSimaria #MulheresNoSertanejo