Em artigo escrito para a revista Trip, a deputada federal por São Paulo, #Mara Gabrilli, filiada ao PSDB, partido de Aécio Neves e José Serra, e deficiente desde 1994, contou sobre como lidou com a questão da sexualidade depois do acidente que a deixou tetraplégica.

Segundo explicou em seu tocante depoimento, quando quebrou o pescoço, temeu nunca mais ser capaz de sentir prazer sexual, por isso "quis tirar a prova rápido". Ela fez #sexo ainda na UTI, na cama hospitalar - na qual sua privacidade era resguardada apenas por um cercadinho de cortinas - com seu namorado na época, que aliás era a pessoa que dirigia o carro no momento do acidente.

Publicidade
Publicidade

A deputada contou que foi preciso insistir muito para que ele aceitasse por a ideia em prática. Logo que ele começou a beijá-la e tocá-la por baixo do lençol, ela percebeu que tinha as mesmas sensações internas que o sexo lhe trazia antes, mais algumas percepções diferentes e interessantes, como a consciência do próprio cheiro dela e uma percepção nova do toque das mãos do rapaz. Segundo ela, descobrir que, mesmo paralisada do pescoço para baixo, ainda podia sentir prazer foi tirar um enorme peso dos ombros.

A política tucana acrescentou que, ainda hoje, mais de 20 anos depois do acidente, há quem se horrorize ou se espante ao saber dessa história e que, sexo e deficiência são, quando tratados isoladamente, verdadeiros tabus, e, quando juntos, viram praticamente um assunto proibido.

Às críticas que lhe são feitas, sua resposta é que "sexo é inerente ao ser humano", um prazer que faz bem às pessoas e que é importante não se deixar prender a parâmetros.

Publicidade

A deputada ressalta que os deficientes físicos são perfeitamente capazes de, dentro dos limites assinalados por suas circunstâncias individuais, sentirem prazer sexual e manterem relações com seus parceiros. Quando percebeu que o sexo não estava perdido para ela, escreveu: "todo o resto passou a ser resto".

Em 1997, ela fundou o Instituto Mara Gabrilli, que auxilia pessoas com deficiência física. Seu primeiro mandato eletivo foi o de vereadora, que assumiu em 2007. Antes disso, tinha sido secretária da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo, por dois anos. Em 2010, foi eleita pela primeira vez deputada federal e está atualmente cumprindo segundo mandato na capital nacional.