De acordo com informações do site TV Foco, o correspondente da Globo, em Nova York, Felipe Santana, acabou se dando mal em Salvador após se envolver em uma confusão com policiais durante o Carnaval da capital baiana. A acusação contra o jornalista é de desacato à autoridade, ele foi levado a uma delegacia no último domingo (26).

A Secretaria de Segurança Pública baiana informou que o repórter entrou em luta corporal contra dois policiais. Felipe Santana acusa os oficiais de truculência. Santana teve de comparecer a uma delegacia para assinar um termo circunstanciado. Os policiais envolvidos no caso solicitaram que o incidente passasse a ser investigado pela Polícia Civil.

Publicidade
Publicidade

O motivo de todo o problema, segundo o TV Foco, é que o jornalista Bruno Della Latta, que trabalha no Fantástico e é amigo de Felipe Santana, teria provocado um policial, o apalpando. O incidente aconteceu no Bloco Coruja, que passava pelo Circuito Osmar, que fica no bairro do Campo Grande, em Salvador. Della Latta foi atingido por um cassetete na cabeça e desmaiou. Em contraposta, os policiais afirmam terem sido agredidos com socos, o que ocasionou ferimentos na boca e nos braços. Della Latta foi encaminhado para o hospital Aliança, com um corte no supercílio, segundo o site Notícias da TV. Os envolvidos na confusão foram encaminhados para fazerem exame de corpo de delito.

O posicionamento da #Globo foi em defesa de seus profissionais. A emissora afirmou, por meio de nota, que Santana sofreu leves escoriações, mas que Della Latta recebeu chutes e golpes de cassetete.

Publicidade

Ele foi medicado, passou por exames e foi liberado na última segunda-feira (27).

No Twitter, Felipe ainda não se pronunciou sobre o caso, alguns seguidores estranharam ele não ter comentado sobre a cerimônia do Oscar, que aconteceu no último domingo, mesma noite da confusão.

Descriminalização do desacato

O desacato à autoridade deixou de ser crime em dezembro do ano passado. De acordo com o site Notícias da TV, o Supremo Tribunal Federal entendeu que manter a criminalização ao desacato vai contra a leis internacionais de direitos humanos. #Famosos